VIP's, onderzoekers, bedrijfsleiders en opiniemakers delen hun ervaringen, analyses en inzichten over nieuwsfeiten of belangrijke gebeurtenissen op het gebieden van digitale transformatie of energietransitie.

A pandemia de Covid-19 mudou as prioridades em todo o planeta. O combate ao aquecimento global parece ter ficado para trás, ao mesmo tempo que as ambições da União Europeia, que se fixou o objetivo de uma redução de 55% das suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE) até 2030 e de neutralidade de carbono até 2050.

No entanto, esta crise global, que obrigou quase metade da humanidade a viver em confinamento durante várias semanas, demonstrou também até que ponto a questão dos transportes, em particular, teve um forte impacto ambiental.

Ao integrar todas suas externalidades, incluindo os transportes, a indústria é um dos setores de actividade que mais contribuem para as emissões de GEE. Mais do que nunca, portanto, é do interesse da indústria acelerar internamentero sua própria transformação. Acontece que a crise sanitária revelou a importância de pistas novas ou até agora subestimadas, como a relocalização da produção, o teletrabalho e a economia circular.

Para se tornar parte da solução e não um problema, a indústria tem três alavancas: a redução de suas próprias emissões, a concepção produtos mais “verdes” e a evolução dos seus métodos de produção.

  1. Em termos de emissões de gases de efeito estufa, a indústria pode otimizar sua eficiência energética e utilizar energias renováveis. Ele pode armazenar e reutilizar o CO2 que emite. Também pode tornar seu ciclo de produção mais eco eficiente (design ecológico, processos mais eficientes, materiais com baixo balanço de carbono, soluções alternativas de produção, etc.).

É hora de passar da reciclagem para a reutilização, cujo balanço de carbono é muito mais positivo.”

Isto requer a recuperação de suas energias dissipadas, como a reutilização da água quente, cujo despejo pode perturbar o ecossistema. Requer também a reutilização de componentes, ferramentas e tijolos tecnológicos quando é reconstruída uma nova linha de produção. É hora de passar da reciclagem para a reutilização, cujo balanço de carbono é muito mais positivo. Uma abordagem que diminui as interdependências entre países, previne os riscos de ruptura de abastecimento e, finalmente, reforça a resiliência dos sistemas de produção.

  1. Quanto à produção de produtos mais compatíveis com a proteção do ambiente, as oportunidades existem em todos os setores. Desde a produção de materiais de construção com um desempenho energético muito mais elevado até à concepção de veículos elétricos com peças reutilizáveis, sem esquecer a utilização, por exemplo no setor aeronáutico, de materiais bem mais leves para reduzir o consumo de energia ou a integração da eletrônica miniaturizada para otimizar o uso de uma máquina ou de um produto. Os exemplos é que não faltam.
  1. Finalmente, há a evolução dos métodos de produção. Neste campo, a indústria pode seguir dois eixos principais. O primeiro consiste em desenvolver unidades de produção mais flexíveis, mais autônomas e mais locais, localizadas mais perto das necessidades. O impacto é imediato no balanço de carbono do segmento de transporte, tanto em termos de pessoal como de produtos. A automatização e a inteligência artificial tornam agora possível esta relocalização.

A prática do teletrabalho, cuja utilização maciça durante a crise da Covid-19 demonstrou sua eficácia, é também uma oportunidade para a indústria. Isto tanto do ponto de vista da sua necessária adaptação organizacional (a automatização e os sistemas inteligentes de controle e monitoramento podem ajudar a alcançar esta meta) como do ponto de vista da sua contribuição para a melhoria do balanço do carbono através da redução do tempo de transporte do pessoal.

O segundo eixo visa conectar ainda mais a indústria ao seu ecossistema, realizando externalidades positivas que vão além da simples produção. Por exemplo, aproveitando as áreas industriais para a produção agrícola e assim fomentando os circuitos curtos, atendendo a uma expectativa forte exprimida pela população durante a crise sanitária. Mas também utilizando o CO2 emitido para produzir algas e spirulina para cosméticos e produtos farmacêuticos, ou ainda as áreas asfaltadas das suas instalações para produzir calor, como o permite o processo Power Road desenvolvido pela Eurovia.

Fazer com que a indústria não seja apenas um problema, mas parte da solução tanto para a relocalização como para a mudança climática, deve começar por uma reflexão sobre o fenômeno. Logo se verifica que as possibilidades são mais numerosas e simples do que imaginávamos.

14/09/2020

Bruno Nicolas

Bruno Nicolas

Diretor da marca Actemium

Descubra mais

Spencer Thompson, Business Development Director, Omexom UK & ROI Spencer Thompson, Business Development Director, Omexom UK & ROI

O armazenamento está no centro da transição energética.

Armazenar a energia é fundamental para garantir um abastecimento flexível e confiável a partir de...

Ler o artigo

Thomas Leseigneur, responsável Innovation Actemium (VINCI Énergies) Thomas Leseigneur, responsável Innovation Actemium (VINCI Énergies)

Smart Energia: a otimização energética aplicada à indústria do futuro

O aprimoramento energético da base produtiva francesa deve se alicerçar na otimização da sua competitividade:...

Ler o artigo