A última Feira de Hannover destacou várias inovações destinadas a tornar os equipamentos industriais mais flexíveis e modulares. Nesta fábrica do futuro equipada com um piso digital, as máquinas-ferramentas e os robôs podem ser reconfigurados de acordo com as necessidades.

A crise da COVID-19 evidenciou a importância da resiliência na indústria. Esta resiliência é alcançada através da agilidade. Os industriais foram capazes de diversificar sua atividade mudando suas linhas de produção da noite para o dia. No setor da confecção ou na indústria química, por exemplo, as fábricas começaram a produzir máscaras, viseiras ou gel hidroalcoólico.

No futuro, os industriais poderão montar e desmontar unidades de produção conforme a procura

A flexibilidade foi o tema principal da edição de 2021 da Feira de Hannover, de 12 a 16 de abril de 2021. Vários expositores destacaram o conceito da fábrica modular, argumentando que, com a ajuda das novas tecnologias – IoT, inteligência artificial, manufatura aditiva, 5G – os industriais poderão montar e desmontar unidades de produção conforme a procura, como um Lego.

Smart factory

Reunindo mais de 45 industriais europeus, principalmente alemães, o projeto Smart Factory KL apresentou seu demonstrador PL4. Colocados em blocos de vidro e montados sobre rodas, uma impressora 3D, uma estação de controle de qualidade (controlada por um sistema de visão por computador) e uma estação de montagem comunicam entre si dentro de uma linha de produção automatizada. No fundo, um homem supervisiona as operações a partir de sua mesa de controle.

Garantindo a comunicação em “plug and play” entre máquinas provindo de diferentes fabricantes, a Smart Factory KL deve servir como banco de ensaio para GAIA-X. Esta é uma iniciativa europeia que visa construir uma nuvem de confiança, reunindo os fornecedores existentes e garantindo a interoperabilidade de seus serviços em torno de padrões comuns.

Uma coreografia de robôs autônomos e polivalentes

O Instituto de Tecnologia de Karlsruhe está imaginando um exército de robôs autônomos e polivalentes para substituir os atuais autômatos, que geralmente são fixos e dedicados a uma única tarefa. Estes braços robóticos verticais cooperam entre si e realizam vários processos de montagem, corte, usinagem e garantia de qualidade, seguindo uma complexa coreografia. Eles podem ser reconfigurados e receber outras tarefas de acordo com a demanda.

Esta “cinemática” robótica deve reduzir consideravelmente o tempo de montagem e planejamento. Contudo, o Instituto de Tecnologia de Karlsruhe e seus parceiros industriais – o fabricante de automação Siemens e o fabricante de máquinas-ferramentas Grob-Werke – estão apenas na fase de protótipo.

Piso digital

Por último, a Bosch Rexroth projetou um um “piso inteligente” destinado a ser a espinha dorsal da fábrica do futuro. Este piso digital identifica e gerencia os equipamentos, troca dados com eles e até fornece-lhes eletricidade por indução. As máquinas-ferramentas se movem de acordo com as zonas atribuídas a elas. Nem se precisa mais de sistemas complexos de posicionamento, pois os veículos automáticos guiados (AGVs) seguem as lajes iluminadas com LEDs que mostram o caminho. A empresa alemã de automação utiliza o 5G para interconectar estes diferentes elementos.

15/11/2021