A revolução nos usos e a transição ecológica empurram o planejamento urbano para a era de complexidade. A questão da integração de novas funcionalidades, competências e aspirações está no coração do futuro da cidade.

Novos usos, explosão digital, transição ecológica, crise sanitária: o planejamento urbano deve integrar horizontes tão novos quanto incertos. Perante estes fatores de complexidade, como devem os planejadores reinventar sua profissão e promover novas competências? Quem serão amanhã os integradores do planejamento urbano? As próprias cidades, os planejadores públicos ou privados, os GAFAMs?

Todas estas questões foram colocadas no dia 28 de setembro de 2020 durante a conferência “Profissão planejador 3.0: quem será o planejador da cidade dos usos?” organizado por Léonard, a plataforma de prospectiva do Grupo VINCI, em parceria com La Fabrique de la Cité, uma outra estrutura de reflexão da VINCI.

Todos os especialistas presentes concordaram com um diagnóstico comum, resumido por Hugues Parant, diretor-geral da EuroMéditerranée: “Os usos são o primado da fabricação da cidade e a sua mistura é um fator de criatividade“. Contudo, o grande desafio do desenvolvimento concentra-se totalmente no gerenciamento de equações cada vez mais delicadas: a crescente autonomia da sociedade civil e a legitimidade da decisão política, a recuperação do crescimento e a sobriedade do consumo, etc.

Novas equações

“Representantes eleitos, funcionários, investidores, promotores… Todos são clientes e o modelo financeiro do planejador torna-se cada vez mais complexo”, afirma Christophe Lasnier, senior manager da EY Consulting, piloto do Panorama da cidade e do imobiliário. O caráter crítico do domínio de novos modelos econômicos é acentuado pelo desenvolvimento de desafios ambientais, completa Virginie Leroy, diretora-geral adjunta do planejamento e grandes projetos urbanos e diretora do departamento de escritórios da VINCI Immobilier: “A ‘zero artificialização líquida’ e a crescente escassez fundiária nos obrigam a reconstruir a cidade em cima da cidade. Reorganização das parcelas fundiárias, novas parcerias, operações de despoluição e renovação térmica de edifícios antigos: os modelos econômicos a utilizar não são óbvios.”

Os planejadores terão, portanto, de se concentrar na compreensão e no financiamento do segmento rio abaixo da cadeia de valor imobiliária. Cécile Maisonneuve, presidente da Fabrique de la Cité, enfatizou o peso destas novas restrições: “Passamos de ‘o que queremos fazer’ para ‘o que devemos fazer’ .

Na opinião convergente de todos os interlocutores, a mistura dos usos e a maior complexidade das operações exigem uma cooperação reforçada de todos os protagonistas do setor o mais cedo possível no processo de urbanização.

Storytelling da concertação

Nesta antecipação máxima das etapas, qual é o lugar da consulta pública? A questão inspirou mais reservas nos participantes da conferência. Não tanto sobre o próprio princípio da consulta: em um sistema cada vez mais governado pelos usos, é fundamental envolver os usuários nas opções urbanas, concordaram os vários palestrantes da mesa redonda.

Contudo, os métodos de concertação aplicados até à data resultaram claramente em um sucesso muito relativo. Cécile Maisonneuve recordou o fracasso do projeto Quayside do Google em Toronto, que se baseava numa promessa de consulta aos cidadãos.

“O planejador-integrador deve ser o garante da perenidade dos usos.”

A concertação interessa sempre pessoas acostumadas aos procedimentos de consulta e debate público“, confirmou Hugues Parant, e o fato de organizar uma reunião pública às 19 horas durante a semana ou às 9 horas nos fins de semana não faz qualquer diferença. “Precisamos de repensar a concertação como um storytelling, uma narração de histórias, fazer com que os projetos interessam às pessoas“, argumentou o diretor-geral da Euroméditerranée.

E advertiu os promotores contra a tentação de se retirarem uma vez validadas as decisões: “Não podemos consultar os cidadãos sobre o que serão seus usos amanhã e abandonar o navio dois anos mais tarde. O planejador-integrador deve também ser o garante da perenidade dos usos. »

Um suplemento de alma

O planejador deve imaginar hoje as respostas aos grandes desafios da cidade de amanhã: a hibridação entre espaços privados e públicos, a criação de espaços privados coletivos, a produção de edifícios reversíveis, a construção de alojamentos sóbrios em energia, a vegetalização das ruas e superfícies, a inclusão das atividades de lazer, a compensação da escassez de terrenos pela densificação.

Por outras palavras, as competências jurídicas e urbanas dos planejadores deverão ser completadas por uma poderosa capacidade de compreensão, antecipação e integração. Em suma, insistiram os especialistas insistiram, por um suplemento de alma.

15/10/2020