Por conta da contrafação e dos mercados paralelos, a serialização dos medicamentos torna-se uma necessidade em muitos mercados. A Courbon Software, uma empresa da VINCI Energies na vanguarda desta atividade, está implantando sua solução no mundo inteiro.

Desde fevereiro de 2019, a diretiva europeia sobre medicamento falsificados (DMF) obriga os laboratórios e as farmácias a serializar os medicamentos. O objetivo é criar um sistema para verificar a autenticidade dos produtos apondo um identificador único em cada caixa de medicamentos que será depois registrado em uma base de dados central. A “rastreabilidade de cada caixa” deve facilitar o combate à contrafação e aos mercados paralelos.

A Courbon Software, empresa da VINCI Energies e editora de software MES para a indústria, antecipou esta evolução da lei desenvolvendo há já oito anos uma solução ad hoc adaptada à indústria 4.0: Pharmacim-LSM (Label Serialization Management), uma das cinco soluções emblemáticas neste mercado.

Dedicamos entre 10 e 20% do nosso faturamento à P&D, o que nos permite investir na inovação e no desenvolvimento de novos produtos“, salienta François Lavabre, dirigente da Courbon Software.

“Neste tipo de projeto, tudo está por inventar. Tivemos de inovar nos softwares e na parte mecânica”

A solução Pharmacim-LSM está atualmente implantada em aproximadamente 300 linhas de produção em todo o mundo para uma dúzia de clientes, incluindo a Delpharm.

Este grupo farmacêutico francês, fabricante de medicamentos por contrato, já começou a pensar na serialização de medicamentos em 2012 e contratou a Courbon Software em 2014 para integrar esta solução em todos suas unidades. “Neste tipo de projeto, tudo está por inventar. Tivemos de inovar nos softwares e na parte mecânica com o gerenciamento das máquinas“, observa François Lavabre.

Sistema ágil e não intrusivo

Os desafios não faltaram. “Primeiro, foi necessário adaptar-se às evoluções da legislação: além de não ser aplicada ao mesmo tempo nos diferentes mercados (na Rússia, por exemplo, o texto só entrou em vigor em 1 de janeiro de 2020), ela varia de um país para outro com códigos QR distintos, codificações e dimensões diferentes“, observa o diretor da Courbon Software.

A proeza tecnológica também consistiu em adaptar o sistema a ritmos diferentes, por vezes muito elevados (mais de 300 peças por minuto), em assegurar a informação em tempo real sobre as linhas de embalagem, gerenciando um fluxo enorme de dados, e em antecipar a substituição dos sistemas operacionais ou dos equipamentos que os fabricantes deixam de fabricar.

E tudo isso “sem degradar a produtividade das linhas de produção do cliente, o que exigiu projetar o sistema menos intrusivo possível“, informa François Lavabre.

Completadas por uma equipe de manutenção mobilizada 24/7, as “forças de projeto” da Courbon Software realizam e implementam os pacotes de software de A a Z até à venda das máquinas ou dando assistência às equipes de projeto do cliente.

Para implementar o sistema ao mesmo tempo na unidade central e nas linhas de produção, é essencial mobilizar colaboradores capazes de entender o negócio do cliente, seus processos e que sejam qualificados em automatismos e em softwares”.

A pressão é fortíssima, por conta da dimensão altamente estratégica deste tipo de solução, cuja implementação costuma ser monitorada pelos mais altos dirigentes da empresa.

23/07/2020