Em parceria com a VINCI Energies, esta start-up está desenvolvendo uma solução original para gerar eletricidade: uma turbina eólica compacta instalada nos telhados dos edifícios. Antoine Brichot, cofundador da Wind my Roof, e Antoine de Broves, responsável técnico e de inovação da Omexom, explicam sua parceria, inaugurada em 2017.

Qual é a originalidade da solução Wind my Roof ?

Antoine Brichot : Nós desenvolvemos uma turbina geradora de eletricidade para telhado. A originalidade desta turbina eólica reside na sua forma horizontal que permite que seja instalada na borda dos telhados. A WindBox, patenteada desde o verão de 2019, oferece um excelente índice produção/compacidade.

Quais são as outras vantagens desta tecnologia?

Antoine Brichot : ela pode ser instalada em qualquer edifício com telhado plano. Não produz nenhuma poluição sonora e é modular. Podemos integrar tantas Box quanto possível no local; um módulo pode gerar até 1500 W, ou seja, 1 MWh por ano.

“O processo de Wind my Roof emite duas vezes menos CO2 por kWh produzido do que a energia solar e representa uma redução de 78% em comparação com o kWh médio na França. “

Antoine de Broves : O produto de Wind my Roof é competitivo comparado com a solução complementar e alternativa da energia fotovoltaica. Mas o que mais valorizamos é seu interesse ambiental. O processo emite duas vezes menos CO2 por kWh produzido do que a energia solar e representa uma redução de 78% em comparação com o kWh médio em França.

A.B. A vantagem é ainda maior no exterior: a redução do impacto é de 95%, se compararmos com o mix energético médio global, muito mais intensivo em carbono do que na França. Daí o interesse para Wind my Roof em se associar a um grupo internacional como a VINCI Energies.

Como é que Wind my Roof e a VINCI Energies se encontraram?

A.B. O primeiro contato teve lugar durante a entrega do Prêmio da inovação VINCI, quando conquistamos em 2017 o Challenge estudantes. Fomos em seguida hospedados durante oito meses na incubadora do grupo, Leonard. Pudemos assim conhecer as várias linhas de negócio do grupo, incluindo a VINCI Energies. Após um ano de incubação, participamos na feira Vivatech com a VINCI Energies em 2019.

A. de B. O negócio da Omexom como integrador de soluções chave na mão nos incita a pesquisar novas soluções de geração de eletricidade, particularmente soluções descarbonizadas como o Wind my Roof.

Como evoluiu a relação entre Wind my Roof e a VINCI Energies?

A.B. No início, foi uma espécie de coaching para nos ajudar a entender melhor o que queríamos fazer com o nosso projeto estudantil. A fase de incubação no Leonard permitiu-nos desenvolver nosso modelo de negócio, nosso plano de negócios, nossa clientela…

A. de B. Esta relação não exigiu qualquer esforço particular por parte da VINCI Energies. Trabalhar com parceiros, incluindo start-ups, faz parte do nosso funcionamento.

A.B. De momento, somos apenas dois, com meu sócio Yanis Maacha que cuida da parte técnica, P&D e industrial. Portanto, as discussões são simples e diretas com os gerentes de unidades de negócios da VINCI Energies.

Quais são suas primeiras colaborações concretas?

A. de B. O primeiro projeto com a Omexom é um demonstrador que será instalado este verão no largo de La Défense. Paris La Défense quer produzir eletricidade para abastecer o consumo local neste largo, que não dispõe de uma rede elétrica integrada. A primeira etapa permitiria o abastecimento de uma frota de patinetes elétricos.

A.B. Serão instaladas duas Box, uma sobre o telhado do Centro de informações La Défense, a outra sobre um edifício de caixa de elevador. Calculamos que estes dois módulos permitirão um total de 25 recargas por dia, ou seja, 9.000 por ano.

A. de B. Um segundo projeto consiste na instalação nos telhados de duas empresas da VINCI Energies em Viry-Châtillon (SDEL Transport e Citeos) de 2 a 4 WindBox no mínimo, para o auto consumo, mas também para recarregar veículos de serviço elétricos. O projeto também inclui estacionamentos solares e um sistema de armazenamento elétrico. Por outras palavras, um projeto completo, emblemático daquilo que VINCI Energies pode fazer.

Como se afigura o futuro desta parceria?

A. de B. No dia 28 de fevereiro, o fundo de investimento da VINCI Energies, Inerbiz, adquiriu uma participação na Wind my Roof junto com a KIC InnoEnergy. Estamos convencidos do interesse desta oferta.

05/06/2020