Desde a recepção até aos postos de trabalho passando pelas salas de reunião, o edifício inteligente é também um edifício multifuncional. Para os seus ocupantes “habituais”, mas não só…

O smart building é uma oportunidade jamais oferecida até agora para observar e experimentar usos profissionais, e mais além, novos e futuros estilos de vida. As ferramentas digitais e o processamento dos dados permitem monitorar, medir e analisar os comportamentos e as práticas dos usuários dos edifícios, em tempo real e a longo prazo.

Nunca antes os players do setor imobiliário tiveram um nível de informação tão elevado para alimentar uma proposta de serviços que respondesse a usos e necessidades sempre mais complexas, porque são sempre mais exigentes em termos de flexibilidade“, explica Philippe Conus, diretor Building Solutions e diretor da Inovação da VINCI Energies.

Flexibilidade, escalabilidade, modularidade: isto é o que sustenta todo o enfoque da inovação no setor imobiliário terciário. Um enfoque que não é isento de riscos. O peso do setor significa que os desafios e os investimentos envolvidos são colossais, e cada “falsa largada” pode ser muito prejudicial do ponto de vista econômico e ambiental.

“Os modos de trabalho estão mudando, assim como os usos, e o edifício inteligente deve acompanhar essas mudanças. Mas deve fazê-lo com simplicidade.” 

O primeiro inimigo da inovação aqui é, muito provavelmente, a própria inovação. Em um momento em que a sociedade como um todo está expressando uma necessidade urgente de sobriedade digital, cuidado com a tentação de apresentar uma visão hipertécnica da transformação digital. As noções de modularidade, escalabilidade e flexibilidade devem permanecer tão práticas para os usos quanto inteligíveis para o entendimento.

“Os modos de trabalho estão mudando, assim como os usos, e o edifício inteligente deve acompanhar essas mudanças. Mas deve fazê-lo com simplicidade”, adverte Emmanuel Prod’homme, gerente de projetos da VINCI Energies responsável pelo planejamento do Archipel, a futura sede do Grupo VINCI.

Nada de interoperabilidade de sistemas, nada de escalabilidade dos equipamentos sem fluidez dos usos. Chega de coisas inúteis, chega de gadgets. Mesmo modular – especialmente modular! – o edifício inteligente deve estar, antes de mais, ao serviço daqueles que o “vivem”, desde o acesso ao edifício até as salas de reunião e os espaços de trabalho.

Já começa na recepção. Um espaço que, devido à sua modularidade, não é mais reservado aos visitantes, mas oferece uma mistura de usos, permitindo, por exemplo, que os funcionários de uma empresa hospedada se encontrem para uma reunião informal.

Os espaços de trabalho, por sua vez, devem integrar e implementar uma equação sutil entre abertura e personalização. “Teremos que explorar com inteligência a quantidade, a forma e os materiais das divisórias, aproveitando os sensores presentes e a análise dos dados de ocupação a fim de antecipar as necessidades de planejamento dos espaços, tornando as adaptações transparentes para os ocupantes“, enfatiza Emmanuel Prod’homme.

O planejamento dos espaços de trabalho deve agora incorporar uma nova métrica: a higiene. As regras de distância física são agora obrigatórias em todos os ambientes públicos. As estações de trabalho independentes serão privilegiadas, ao contrário das bancadas com quatro ou seis estações de trabalho.

Quanto às salas de reunião, equipadas com sistemas de conferência via web ou de telas sensíveis ao toque para atender uma ampla gama de necessidades, elas devem ter divisórias móveis que possam ser usadas para ampliar ou reduzir o espaço, dependendo do número de participantes. Aqui novamente, observa Emmanuel Prod’homme, a facilidade de uso do equipamento é essencial: “A experiência mostra, por exemplo, que uma divisória móvel automática será muito mais utilizada do que uma divisória manual. »

Hoje, a modularidade do smart building remete mais à aceitação de usos mistos do que à transformação da própria estrutura (exceto nos espaços de trabalho, onde se aproveita a possibilidade de remover as divisórias e deslocar os postos de trabalho e os equipamentos). Mas a próxima etapa do smart building poderia muito bem ser a da modularidade “permanente”, ou seja, a modularidade do edificado (ver quadro).

O encontro das atividades e dos públicos dentro do mesmo edifício torna-se não apenas possível, mas intrínseco de um edifício que atende às especificações urbanas, integrando, no momento em que é projetado, aberturas para a cidade, suas ruas, lojas e estações“, enfatiza Philippe Conus.

De fato, o projeto Archipel em Nanterre, que acolherá seus ocupantes e visitantes em 2021, faz parte de um complexo imobiliário maior, composto por edifícios de escritórios (74.000 m²), 90 terraços (que poderão ser utilizados para comer, reunir-se, trabalhar, descansar), um hotel e lojas (1.500 m²). Projetado como uma série de ilhas interconectadas e interdependentes, ligadas entre elas por passarelas, o complexo reivindica de cara sua porosidade com o entorno urbano e a rede de transporte. Um edifício modular em uma cidade cada vez mais móvel e adaptável.

Em breve o sistema modular permanente ?

Será que a construção smart e a modular vão se encontrar? Era uma das promessas de Google e de seu projeto Quayside em Toronto. Construído em um terreno baldio portuário de 5 hectares, o bairro inteligente, promovido pela Sidewalks Labs, a subsidiária do grupo Alphabet dedicada à pilotagem do projeto, devia abençoar o casamento entre a conectividade e a modularidade. Ruas dinâmicas, compostas por lajes equipadas com LEDs, fáceis de remover e substituir para instalar móveis urbanos intercambiáveis… Pisos térreos de edifícios compostos por módulos preconectados e pré-equipados para acomodar cafés, feiras, bibliotecas, espaços comunitários… Edifícios construídos amontoando e justapondo módulos que podem ser trocados e apetrechados conforme necessário… Google acabou por abandonar seu projeto em maio de 2020, oficialmente por causa das “incertezas econômicas sem precedentes” ligadas à pandemia de Covid-19. Mas a brecha foi aberta. Na França, os construtores da Smart Buildings Alliance responderam recentemente a uma solicitação de projetos do Ministério das Forças Armadas da França, para soluções de atendimento ao paciente fácil e rapidamente reproduzíveis, propondo a implantação em seis semanas de módulos reutilizáveis de madeira, com cerca de quinze salas de terapia intensiva e as instalações associadas.
17/12/2020