O método de medição da vibração EVE™, capaz de detectar a mínima anomalia nas estruturas metálicas, e também de determinar sua vida útil residual, facilita o gerenciamento do seu parque de torres pela Omexom.

A estação de esqui do Val d’Allos, situada no coração da região do Mercantour (Alpes-de-Haute-Provence), costumava trocar a torre estruturante de um dos seus elevadores de esqui a cada sete anos. Mais ao norte, a estação de Valmorel, no vale da Tarentaise (Saboia), tinha acabado de reformar a torre estratégica do seu emblemático teleférico, o Télébourg, e tudo parecia estar em ordem. Isso foi sem contar com o método EVE™*.

Esta técnica de diagnóstico das estruturas, solicitada pelas duas estações de esqui, permitiu à primeira constatar que, na realidade, a troca da torre só era necessária a cada vinte e cinco anos, e à segunda identificar que um defeito imperceptível de soldagem não passante, não detectado pelas técnicas tradicionais de controle, estava enfraquecendo a estrutura…

Omexom é a única empresa na França a utilizar esta técnica em estruturas metálicas, técnica validada pelo STRMTG

“O método EVE™ é baseado na medição dos parâmetros dinâmicos de uma estrutura metálica a partir de sensores posicionados sobre a estrutura. Permite comparar as frequências próprias coletadas na estrutura com a sua frequência teórica”, explica Charles Govin, gerente de vendas da Omexom em Albertville (VINCI Energies).

Este processo permite diagnosticar com muita precisão o envelhecimento ou a danificação da estrutura, mas também a interação terreno-estrutura com a possibilidade de identificar defeitos nos alicerces. “Por exemplo, detectamos um problema na base de uma torre operada pelo operador do sistema de transmissão elétrica suíço Swiss Grid. Era uma estrutura de 40 metros de altura na qual instalamos algumas dezenas de sensores“, acrescenta Charles Govin.

 

Um legado do terremoto de Tokashi

O método EVE™, que permite o diagnóstico de estruturas com ruído de fundo ambiente, é o resultado de pesquisas iniciadas nos anos 2000, inspiradas nas análises de frequência realizadas durante o terremoto de Tokashi, no Japão, em 1968.

“Desde 2015, somos a única empresa na França a utilizar esta técnica em estruturas metálicas, uma técnica validada pelo STRMTG (Serviço técnico de elevadores de esqui e transportes guiados)”, indica Charles Govin, acrescentando que a empresa conta com dois engenheiros de cálculo cuja missão é interpretar as medições coletadas.

Para além da detecção de anomalias, o método EVE™ tem outra vantagem, igualmente significativa, a de determinar a vida útil residual de uma estrutura, como puderam verificar com satisfação os dirigentes da estação de esqui Val d’Allos.

* EVE™ é a sigla para Existing Vulnerability Evaluation

 

 

05/06/2020