Um projeto de remodelação no bairro Les Lumières Pleyel em Saint-Denis é o campo de experimentação do laboratório de pesquisa ambiental, realizado em parceria com o demonstrador industrial para a cidade sustentável Rêve de scènes urbaines (RSU). Seu objetivo? Medir o impacto ambiental da mobilidade diária usando uma ferramenta de engenharia chamada análise da vida útil 

Guindastes, misturadores de concreto, perfuratrizes…: o bairro Les Lumières Pleyel em Saint-Denis está em plena transformação. Um canteiro de obras colossal, local da futura integração das linhas 14, 15 e 16 do metrô da Grande Paris e vila olímpica dos Jogos de Paris em 2024. E há mais obras em andamento.  

Desde setembro de 2019, o bairro se tornou o laboratório de um projeto de pesquisa científica. O laboratório de pesquisa ambiental, uma parceria de mecenato científico entre a VINCI e ParisTech, quer criar ferramentas para a concepção ecológica de bairros, em particular para a mobilidade. 

O laboratório de pesquisa ambiental trabalha há dez anos sobre o tema da concepção ecológica dos edifícios. Com base nestas experiências conclusivas, decidimos criar novas ferramentas, desta vez aplicadas ao tema da mobilidade“, aponta Cyrille François, docente-pesquisador da Ecole des Ponts ParisTech e do laboratório de pesquisa ambiental.  

Mais além do CO2 

Elemento central desta abordagem, a análise da vida útil (AVU) desempenha um papel essencial. Esta ferramenta elenca e quantifica os fluxos físicos de materiais e energia durante toda a vida útil dos produtos – extração das matérias-primas, distribuição, uso, coleta e descarte – a fim de avaliar os potenciais impactos sobre o meio ambiente2. 

Nossa primeira constatação é que não devemos reduzir a análise da vida útil ao CO2 dos gases emitidos pelos escapamentos. Embora os carros particulares ainda representem 80% do impacto do bairro em termos de equivalente de CO23, existem outras fontes de poluição“, especifica Cyrille François. 

Assim, antes ou depois de uma viagem, outros fatores devem ser levados em consideração, como o transporte de combustível, a criação de áreas agrícolas para produzir biocombustível ou a fabricação de baterias elétricas. “Hoje, devemos agora acrescentar os serviços digitais com os sistemas automatizados e as transferências de dados.” 

Práticas de mobilidade heterogêneas 

Em 2024, são previstos 1.111 moradores e 8.000 funcionários de escritório no bairro Les Lumières Pleyel. “Nosso desafio é analisar, por um lado, as informações estatísticas de transportes e, por outro, as práticas sociais de mobilidade… de uma população que ainda não existe!“, aponta o docente-pesquisador. 

O método? O primeiro passo foi estudar os perfis socioeconômicos dos indivíduos que irão  viver e trabalhar no bairro, para fazer uma estimativa de seus usos. Em seguida, os pesquisadores analisaram suas práticas de mobilidade, distinguindo entre moradores e funcionários. Os impactos ambientais associados a essas deslocações foram então calculados, levando em conta veículos, transportes coletivos e infraestruturas. 

O impacto por pessoa deveria ser de 1,1 kg de CO2-eq por dia para um morador e 1,6 kg para um empregado, porque os moradores irão privilegiar os transportes ‘suaves’ para curtas distâncias, e os funcionários os transportes coletivos para longas distâncias“, explica Cyrille François. Balanço de carbono estimado do bairro: 14,1 t de CO2-eq por dia útil. 

“Conscientizar os funcionários para o compartilhamento de carro ou incentivá-los a utilizar os transportes coletivos permitiria reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 7%.” 

Prevendo a incerteza  

Graças a essas ferramentas, é possível avaliar a relevância das opções de remodelação e propor soluções ecológicas adaptadas às características locais. “ Conscientizar os funcionários para o compartilhamento de carro ou incentivá-los a utilizar os transportes coletivos com um sistema de assinatura permitiria reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 7%.”  

Mas a avaliação estaria incompleta se não informasse os decisores sobre as incertezas de certos resultados. “Por exemplo, ainda não sabemos como irá evoluir a prática da bicicleta ou a reciclagem de baterias.” 

É por isso que esta abordagem está sendo aperfeiçoada pela ferramenta Multi-Agent Transport Simulation Toolkit (MATSim). Com base na modelagem multiagente, ela caracteriza os deslocamentos de cada indivíduo usando seu perfil tipo e modelos de previsão de demanda de transporte. “Estas novas ferramentas permitir-nos-ão criar cenários mais precisos e personalizados para cada região“, conclui Cyrille François. 

08/07/2021