Apoiada pela Axians, a empresa alemã de hospedagem Windcloud utiliza amplamente a energia eólica para reduzir sua pegada de carbono. Além disso, sua mais recente instalação possui em seu telhado uma fazenda de algas para capturar uma grande quantidade do CO2 que emite.

Ao nível mundial, os produtos e serviços digitais seriam responsáveis por cerca de 3% das emissões de gases de efeito estufa, de acordo com a maioria das estimativas. Os datacenters por si só respondem por uma grande parte desta dívida energética. Quase metade da eletricidade consumida nesses poços energéticos sem fundo é dedicada aos sistemas de resfriamento dos servidores, que aquecem enquanto funcionam.

Diante da urgência climática, como reduzir esta pegada de carbono? São utilizadas diferentes técnicas. O “watercooling” explora as propriedades térmicas da água. O “freecooling” consiste em utilizar o ar exterior durante a noite ou no inverno. O operador alemão Windcloud desbrava outras pistas.

No final de agosto de 2020, ele inaugurou um datacenter de nova geração com a ambição de ser, no mínimo, neutro em termos de CO2. Baseado em Enge-Sande, perto da fronteira com a Dinamarca, a instalação abriga 24 racks com uma potência total de 60 kW. Está em conformidade com a norma europeia EN 50600 VK3, garantindo “os mais altos padrões de disponibilidade, segurança e eficiência energética”.

O datacenter utiliza exclusivamente energia renovável, 98% da qual é gerada por energia eólica, um recurso particularmente abundante neste distrito alemão da Frísia do Norte. Mas a originalidade do edifício vem acima de tudo de seu telhado, onde está instalada uma fazenda de algas spirulinas de 240 m2 operada em cooperação com a empresa NOVAgreen.

“O calor produzido pela unidade é usado para cultivar algas. Em troca, as algas absorvem uma grande quantidade de dióxido de carbono.”

Círculo virtuoso 

“O calor produzido pela unidade é usado para cultivar algas, explica Jan-Peter Schneider, Account Manager da Axians, a marca TIC da VINCI Energies, que está associada ao projeto. Em troca, as algas absorvem uma grande quantidade de dióxido de carbono.”

Para além da questão ambiental, dispor de um datacenter neutro ou mesmo positivo em relação ao CO2 permitiria às empresas cumprir as obrigações legais na Alemanha. No final de 2019, a Alemanha impôs uma taxa sobre as emissões de dióxido de carbono. Também é importante para a imagem da empresa em termos de desenvolvimento sustentável. 

O círculo virtuoso não pára por aí. A spirulina, que contém poucas calorias, mas uma grande quantidade de nutrientes e antioxidantes, entra na composição de suplementos alimentares e cosméticos. “Se o cultivo de algas funcionar como esperado, elas poderiam ser vendidas“, completa Jan-Peter Schneider.

Arquitetura escalável

Neste projeto, a Axians Networks & Solutions apoiou a Windcloud para a conectividade e a ligação de rede que conecta a instalação ao mundo exterior. A arquitetura de rede escalável integra sua própria infraestrutura de roteamento, a fim de garantir à entidade de hospedagem sua independência em relação aos provedores de acesso. 

A Axians Networks & Solutions também implementou um sistema de proteção contra os ataques de negação de serviço distribuído (DdoS, Distributed Denial of Service). A solução selecionada do fornecedor americano Corero Network Security identificará um tráfego potencialmente perigoso e o desviará antes que ele atinja o datacenter.

Além da hospedagem, a Windcloud oferece serviços de Infraestrutura como Serviço (IaaS), de backup em nuvem e de nuvem gerenciada.

15/04/2021