Ao investir em uma nova central termelétrica alimentada a gás, a cidade de Flensburg, no norte da Alemanha, vai reduzir as emissões de CO2 em 40% e desligar as caldeiras alimentadas a carvão antes do previsto no cronograma do governo.

A cidade de Flensburg, Alemanha, próxima ao Mar Báltico e à Dinamarca, vai dispensar totalmente o carvão para a geração de energia antes do previsto no cronograma do governo federal. A chave para esta aceleração? Uma nova central termelétrica a gás natural que será comissionada em 2022. A planta, chamada Caldeira 13, não só produzirá energia de forma mais eficiente, mas também permitirá a aposentadoria precoce de duas caldeiras a carvão, que ainda funcionarão por uns dez anos antes de fecharem de vez.

A substituição do carvão pelo gás natural é uma resposta adequada aos problemas ligados à produção crescente de eletricidade a partir da energia eólica.

São tangíveis os benefícios deste desenvolvimento em termos de combate aos gases de efeito estufa. “A Caldeira 13 vai gerar a mesma quantidade de energia que as centrais elétricas a carvão mas reduzindo as emissões de CO2 em 40%“, enfatiza Olaf Rhein, gerente da Actemium Hannover, envolvida na instalação da usina. O comissionamento desta nova central deveria reduzir as emissões de CO2 em cerca de 120.000 toneladas por ano. Um sucesso significativo para o município de 90.000 habitantes, para quem o projeto Caldeira 13 representa mais um passo rumo à geração de energia neutra em termos de CO2.

Além disso, a substituição do carvão pelo gás natural é uma resposta adequada aos problemas ligados à produção crescente de eletricidade a partir da energia eólica, particularmente no norte da Alemanha. Intermitente pela própria natureza, a energia eólica requer sistemas de compensação das variações de produção. O uso do gás natural possibilita uma utilização rápida e flexível das instalações. Um duplo benefício para o meio ambiente.

Gás e vapor

O projeto Caldeira 13 continua a transição iniciada nos anos 2014-2016, já com a ajuda da Actemium. Trata-se do projeto Caldeira 12, cujo elemento central foi, como é novamente o caso do Caldeira 13, a construção de uma usina gás-vapor (turbina a gás de ciclo combinado) para a geração combinada de calor e eletricidade.

Neste tipo de central, o gás natural é utilizado para gerar eletricidade em duas etapas. O gás natural aciona uma turbina e um gerador; os gases de escape desta turbina são utilizados para produzir vapor, que por sua vez aciona uma turbina e um gerador que produzem excedentes de eletricidade.

Uma combinação extremamente eficiente, segundo Olaf Rhein: “Uma central termelétrica moderna alimentada a gás que só produz eletricidade tem um rendimento máximo de 60%. Em comparação, Caldeira 13, com uma capacidade de aquecimento urbano de 70 MW, terá uma eficiência de mais de 90% graças à produção combinada de eletricidade e aquecimento urbano. Por sinal, cerca de 10% a mais do que a produção da antiga caldeira a carvão.

Uma vez concluída a modernização de sua usina combinada de calor e energia, Flensburg atenderá até 80% da demanda de aquecimento urbano com gás natural. A cidade também poderá se gabar de ter alcançado antes da hora o objetivo do governo alemão de eliminar o carvão no mais tardar até 2038.

17/05/2021