Vá diretamente para o conteúdo da página Ir para a navegação principal Ir para a pesquisa

Perto de Antuérpia, uma rede cooperativa está convertendo o calor residual industrial de uma fábrica da Agfa-Gevaert em aquecimento residencial. A Actemium é responsável pelo controle geral deste projeto inovador de distribuição de calor na rede, incluindo automação, visualização (remota), engenharia elétrica, construção de painéis e comissionamento da instalação.

E se a energia das fábricas fosse aproveitada para aquecer nossas casas em vez de aquecer o planeta? Uma das formas mais promissoras de enfrentar o desafio climático é aproveitar o chamado calor residual. O calor residual designa a energia não utilizada durante um processo industrial e liberada no meio ambiente sob a forma de calor. Recuperado em uma rede de aquecimento, pode ser usado para aquecer as casas vizinhas da mesma forma que um sistema de aquecimento central, mas à escala de um bairro.

É o caso de ‘Warmtenet Mortsel/Edegem’, um novo local eco responsável na fronteira dos municípios de Mortsel e Edegem, ao sul de Antuérpia (Bélgica), onde residências e empresas beneficiam desta inovação. Eles são aquecidos exclusivamente pelo calor residual das chaminés da unidade industrial vizinha da Agfa-Gevaert. A água fria é devolvida à estação de entrega através de uma rede subterrânea para ser aquecida novamente. Os moradores não só não emitem CO2, como também beneficiam de um fornecimento garantido e de uma tarifa 50% inferior àquela que pagariam com um equipamento individual e com os preços atuais da energia.

Quatro empresas e 158 casas já foram conectadas, com uma meta de 300 casas até o final de 2023.”

16.000 toneladas de CO2 economizadas

No passado, a Agfa-Gevaert tinha investido em unidades de cogeração para a produção combinada de calor e eletricidade (CHP, Combined Heat and Power), mas o calor residual impedia seu uso. A empresa não podia consumir integralmente o calor para as suas necessidades próprias e o resfriamento com torres de resfriamento teria sido ambientalmente irresponsável.

Oficialmente lançado em 10 de janeiro de 2021 e denominado “Warmte Verzilverd” em flamengo, este projeto de rede cooperativa de calor visa economizar cerca de 2.000 toneladas de CO2 por ano, o que equivale a 18,2 milhões de quilômetros andados de carro, ou 455 vezes a volta ao mundo. Atualmente, 424 casas estão contratadas para 2026, mas procuram ampliar esta rede de aquecimento.

Quatro empresas e 158 casas já foram conectadas, com uma meta de 300 casas até o final de 2023“, explica Willem Eykens, gerente de projeto da Actemium Bélgica (VINCI Energies), que trabalhou no projeto como parceiro da consultoria Kelvin Solutions, especializada em processos de recuperação de calor, juntamente com a cooperativa de energia de cidadãos ZuidtrAnt-W e o fornecedor de energia verde Ecopower.

A solução foi construir uma estação central de distribuição com bombas, válvulas, instrumentação, trocadores de calor e um tanque amortecedor para criar um circuito primário e secundário. O circuito primário parte das unidades CHP da fábrica e o circuito secundário passa pelos trocadores de calor até o tanque amortecedor. A partir deste tanque amortecedor, a água aquecida é distribuída para as subestações correspondentes aos diversos consumidores da rede. Em parceria com o empreiteiro mecânico da planta de processamento, a Actemium gerenciou a engenharia elétrica, a construção, a automatização e o comissionamento.

08/09/2022