Para contribuir para a transição energética, o setor da construção civil deve reduzir sua pegada de carbono. Mas como se calcula a pegada de carbono de um edifício?

Você já se perguntou, no conforto do seu escritório, se o edifício que você ocupa está corretamente isolado, com que materiais foi construído, de onde foram trazidosem que tipo de terreno, natural ou agrícola, foi instalado, que quantidade de energia ele deve consumir? 

Todas estas são questões às quais o setor da construção, um dos principais emissores de CO2 (por exemplo, ele gera sozinho 25% a 30% da pegada de carbono na França), já não pode fugir. 

A aplicação, a partir de 1 de Janeiro de 2021, do novo regulamento ambiental RE2020 destinado a reduzir o impacto de carbono dos edifícios novos e a seguir melhorando seu desempenho energético, irá transformar significativamente a situação. 

Vamos passar de um regulamento até agora limitado principalmente ao consumo de energia para uma regulamentação ambiental abrangendo tanto os equipamentos integrados no edifício e o impacto da própria obra como o consumo de água e energia do edifício durante uma vida útil teórica de cinquenta anos”, salienta Pierre Blanchet, responsável da Innovation Building Solutions da VINCI Energies.  

Por outras palavras, o escopo considerado para medir o impacto de um edifício sobre o aquecimento global irá agora abranger o seu ciclo de vida completo.  

Uma medição ainda imperfeita 

A pegada de carbono de um edifício é medida em kg CO2eq, isto é, a quantidade expressa em quilo equivalente de gás carbônico dos principais gases de efeito estufa (metano, óxido nitroso, etc.), incluindo o CO2, que por si só contribui com quase 40% do efeito estufa. 

“Como integradora de sistemas, a VINCI Energies deve, portanto, levar em consideração o impacto de seus fornecedores”, observa David Merienne, diretor da Cegelec Tertiaire IDF. 

Depois dos critérios de custoprazo e qualidade, o ambiente tornar-se-á, portantouma nova e inevitável obrigação  

Ao contrário de outros materiais de construção, as instalações técnicas (encanamentos, ar condicionado, aquecimento, ventilação, elevadores, etc.), que estão no centro do negócio da VINCI Energies, estão sujeitas a um sistema de taxa fixa para medir seu impacto, uma vez que pouquíssimos fabricantes publicaram a pegada de carbono dos seus produtos. 

No entanto, as instalações técnicas são responsáveis por 30% a 40% da pegada de carbono de um edifício e cerca de 3% do total de emissões de carbono na França. Por conta do objetivo da União Europeia de alcançar a meta de neutralidade de carbono até 2050 (Going Climate Neutral in 2050), a questão do impacto ambiental de um edifício torna-se urgente. 

Antecipar com ferramentas ad hoc 

Como parte do seu compromisso de desempenho global, o Grupo VINCI decidiu antecipar as regulamentações a fim de estabelecer uma medição mais precisa do impacto dos lotes técnicos. De todas as formas, a longo prazo, sua contribuição também será medida, porque este é o rumo da história“, diz David Merienne. 

É claro que já existem selos de qualidade como edifício BBCA ou E+ C-, mas as empreiteiras que se interessam cada vez mais por estas questões ambientais procuram  ferramentas de medição eficazes para aperfeiçoar os resultados da pegada de carbono dos seus projetos“, acrescenta ele. 

Várias ferramentas de cálculo foram desenvolvidas internamente na VINCI Energies ou estão em fase de finalização. “A ideia é indicar em um aplicativo dedicado os fatores de emissão deste ou daquele produto ou energia de acordo com critérios padronizados, a fim de avaliar as diferentes soluções disponíveis dependendo da sua pegada de carbono, levando em conta sua renovação, já que a vida útil de um edifício é calculada para um período de cinquenta anos“, explica Pierre Blanchet. 

Para o responsável da Innovation Building Solutions da VINCI Energies, “depois dos critérios de custo, prazo e qualidade, o ambiente tornar-se-á, portanto, uma nova e inevitável obrigação“. Uma obrigação que deve ser antecipada da melhor forma possível. 

 

 

 

05/06/2020