No coração da transformação digital com o desenvolvimento da nuvem e dos dados, os sistemas TICs são os primeiros artífices das soluções modulares e sob medida.

Infraestruturas, edifícios, escritórios, smart city… A modularidade é hoje a resposta mais ágil e muitas vezes a mais eficiente aos desafios energéticos e organizacionais. Mas esta flexibilidade, esta noção da confecção sob medida, também existem em um setor que não associamos espontaneamente a elas e que, no entanto, fez delas o fundamento do seu modo de funcionamento: os serviços TICs.

Começando pela nuvem e passando pelas arquiteturas de dados, os departamentos informáticos e de sistemas de informação das empresas tornaram-se mestres na concepção e implementação de soluções flexíveis e modulares.

Seja ela privada, pública ou híbrida, a nuvem oferece agilidade, eficiência e reatividade. “O ambiente cloud é, no fundo, um recurso como a água ou a eletricidade que utilizamos conforme nossas necessidades. Neste sentido, ele oferece uma grande plasticidade“, observa Hermann Dupré, Global Business Development Manager – Cloud & Datacenter na Axians, a marca da VINCI Energies especializada nas TICs.

Esta flexibilidade é essencial para qualquer empresa que queira, por exemplo, adaptar-se rapidamente às mudanças no seu entorno comercial. “A nuvem pública, que disponibiliza uma infraestrutura quase infinita, permite a implementação rápida e barata de novos serviços. A nuvem privada, por outro lado, oferece a possibilidade de internalizar, por razões de segurança, certas infraestruturas ligadas a dados críticos“, explica Hermann Dupré.

Uma nuvem de vantagens

As vantagens da nuvem são, portanto, principalmente comerciais. A capacidade de adaptar rapidamente seus serviços para satisfazer as demandas dos clientes é uma vantagem competitiva. A natureza ágil da nuvem facilita a implantação de novas soluções. Permite às empresas testar rapidamente ideias no mercado, recolher feedback e fazer as alterações necessárias para atender a procura dos clientes.

Por exemplo, para um cliente do e-comércio especializado na venda de utensílios de cozinha, conectamos sua nuvem privada com a nuvem pública para ele poder absorver o excedente da sua atividade sazonal“, relata Hermann Dupré.

A nuvem também oferece vantagens financeiras. Para além das economias realizadas utilizando a infraestrutura e os recursos informáticos apenas quando necessário, os custos são também reduzidos graças ao tempo que se ganha utilizando a nuvem. Para seu cliente KPMG, a Axians instalou uma nuvem híbrida com ferramentas de automatização que lhe permitem dividir por cinco ou seis o tempo necessário para implementar um novo serviço.

Os sistemas TICs tornaram-se mestres na concepção e implementação de soluções flexíveis e modulares.

Mas a nuvem tem muitas outras virtudes. Ela agiliza as organizações. A sua flexibilidade incrementa a produtividade dos funcionários de uma empresa, facilitando notadamente o trabalho a partir de casa.

Dentro da própria VINCI Energies, “o projeto “Safe Place”, desenvolvido pela Axians desde o início de 2020, hospeda todos os aplicativos empresariais da VINCI Energies France através de uma nuvem híbrida conectada ao Microsoft Azure, permitindo assim agilizar as trocas ao mesmo tempo que se cumprem as normas de segurança do grupo“, explica Hermann Dupré.

O Global Business Development Manager – Cloud & Datacenter da Axians também menciona as possibilidades oferecidas pelo “Virtual Desktop Infrastructure” (ou DaaS, significando Desktop as a Service) que, através da nuvem, permite aos funcionários sem um computador profissional utilizarem um dispositivo conectado em rede com a empresa em completa segurança. Em suma, a nuvem é um exemplo perfeito de solução modular.

Rumo a uma arquitetura de dados escalável

Um outro aspecto das TICs em que a flexibilidade é crucial é a economia dos dados, que se tornou central para a transformação digital. Cada vez mais dados estão disponíveis, armazenados em bases tradicionais ou em plataformas Big Data, em aplicativos cloud, em simples arquivos internos, mas também em blogs, nas redes sociais, etc.

Tantos silos de dados são difíceis e complexos de integrar. Mas hoje em dia, todas as empresas e organizações entenderam a necessidade de gerenciar e aproveitar ao máximo esta enorme massa de informações. Perceberam o valor comercial potencial que pode aprimorar seus processos de negócios e de tomada de decisão.

Infelizmente, os sistemas informáticos atuais já não conseguem dar conta de tanto trabalho. Não foram desenvolvidos para esta utilização intensiva de dados e, portanto, precisam de ser atualizados, ampliados e modificados. Mas a revisão completa destes sistemas pode ser dispendiosa e demorada. Em um ambiente competitivo, o tempo é muitas vezes crucial, para não dizer vital.

As empresas necessitam portanto de sistemas informáticos com uma arquitetura modular, adaptável e expansível. Por outras palavras, fácil de modificar e ampliar.

Estas arquiteturas escaláveis existem, explica Alexander van Helm, Lead Architect na Axians Business Analytics. Com base em tecnologias como os data lakes, a modelagem data vault, os microsserviços, o cloud, a virtualização de dados ou a Data Warehouse Automation, estas arquiteturas escaláveis podem lidar com cargas de trabalho enormes e evoluir a qualquer momento dependendo das necessidades.”

Com uma arquitetura de dados simples de extrair e substituir, fica mais fácil adaptar-se à evolução da empresa. Segundo Alexander van Helm, o setor financeiro tem enormes necessidades nesta área.

Muitas vezes, é fora da caixa que a transformação digital evolui mais depressa. Por esta razão, a concepção de soluções TI modulares é a melhor forma de permitir que os sistemas TICs acompanhem a evolução cada vez mais rápida do mundo corporativo.

17/12/2020