Vencedora do  challenge VINCI Energies no Vivatech 2019, Helios Exchange tem a ambição de ser a primeira plataforma integrada dedicada aos projetos de renovação energética dos edifícios, proporcionando aos proprietários de estruturas terciárias poupanças significativas em termos de tempo e dinheiro.

Os proprietários de edifícios terciários com uma superfície igual ou superior a 1000 metros quadrados já não têm outra solução, a não ser agir urgentemente para diminuir o consumo energético de suas estruturas. Na França, por exemplo, um decreto recente no âmbito da lei relativa à evolução da habitação, do planejamento e do digital (lei Elan) impõe uma redução dos consumos finais dos edifícios de pelo menos 40% já em 2030 (comparado com 2010), de 50% em 2040 e de 60% em 2050.

A urgência é ainda maior pelo fato que o setor da construção não se preocupou muito até agora em tomar as medidas necessárias no campo. “A massificação da renovação energética sofre com vários freios: custos de transação elevados, ecossistema fragmentado, falta de normalização dos processos e dos indicadores, prazos de diagnóstico longos, etc.”, constata Pierre Blanchet, responsável da inovação Building Solutions na VINCI Energies.

Vejamos o caso de um proprietário de dez edifícios. Para conhecer o consumo energético de cada um desses, ele deverá solicitar uma empresa especializada para realizar a auditoria de cada prédio. Conta correspondente: entre 10000 e 20000 euros por prédio. Em seguida, ele deverá esperar três semanas para obter os dez balanços de situação, em formato PDF. Nesta fase, ele não terá nenhuma visão global do consumo do seu parque e nem condições para escolher o melhor plano de ação tendo em conta suas prioridades estratégicas e suas possibilidades econômicas.

Mudança de escala

Ora, para um proprietário de edifício(s), a eficácia energética é antes de mais uma questão econômica. Qualquer plano de renovação é um modelo de negócios, ao qual ele deve poder associar um risco de desempenho e um ROI (return on investment, retorno sobre investimento).

A renovação energética do setor terciário precisa de ferramentas para simplificar o gerenciamento e a realização dos projetos, reduzir os custos de transação e os prazos de execução, calcular o risco de desempenho e avaliar o impacto de cada ação”

“Para mudar de escala e passar a um ritmo industrial, a renovação energética do setor terciário precisa de ferramentas para simplificar o gerenciamento e a realização dos projetos, reduzir os custos de transação e os prazos de execução, calcular o risco de desempenho e avaliar o impacto de cada ação”, explica Pierre Trevet, CEO de Helios Exchange.

Esta plataforma de software dedicada ao desenvolvimento, ao seguro e financiamento da renovação energética dos edifícios propõe justamente aos atores do setor imobiliário um gerenciamento à distância e de maneira totalmente integrada de todos os elos da cadeia de renovação energética.

Vencedora do challenge VINCI Energies na edição 2019 de Vivatech, Helios Exchange é capaz de analisar e gerenciar os dados relativos ao diagnóstico, planejamento e desenvolvimento dos projetos de renovação, à estimação do custo das obras, ao cálculo do risco de desempenho, até a medição e verificação normalizada das ações. “Uma ferramenta inédita de apoio à tomada de decisão”, afirma Pierre Blanchet.

Projeção da estatística sobre a realidade

Diferentemente de outras ferramentas de simulação térmica dinâmica (STD), Helios Exchange é baseado em uma simulação estocástica. “Quisemos criar um método ágil, que permite reduzir a incerteza à medida que avançamos”, explica Pierre Trevet.

A partir de uma biblioteca de arquétipos provenientes de dados estatísticos, a ferramenta deduz indicadores médios em função de tipos genéricos (tipologia, função, localização do edifício, etc.). Esta primeira simulação é aperfeiçoada por dados de funcionamento fornecidos pelo operador e/ou detidos pela entidade gerente: temperatura, insumos internos, características térmicas das paredes, janelas, telhados; iluminação, sistema de esfriamento, de aquecimento, de ventilação, etc.

A singularidade de Helios consiste em ser capaz de “torcer” os dados estatísticos para conformá-los à realidade. É somente a partir dessa base consolidada que a solução irá propor uma lista de ações de eficiência energética (APE). Essas vão desde a iluminação LED até as renovações mais pesadas (vidros, isolação total do edifício), passando pela otimização da gestão técnica do edifício (GTE) e das intervenções sobre o sistema de ar condicionado ou de aquecimento.

A cada ação, Hélios associa uma análise econômica e o aumento de eficiência energética. O algoritmo pondera o desempenho de cada ação em comparação com as outras opções, para calcular o desempenho global. “Nossas ferramentas de simulação são projetadas para criar um modelo calibrado em poucas horas, em vez de várias semanas. A análise e a auditoria à distância permitirão dividir os custos de transação e o prazo de execução por três”, argumenta Pierre Trevet.

12/12/2019