Vá diretamente para o conteúdo da página Ir para a navegação principal Ir para a pesquisa

A instalação de painéis solares em campos e vinhedos, ou nos telhados dos estábulos, contribui para a transição energética. Para o desempenho das fazendas também. Esta é a experiência realizada em uma aldeia no sudoeste da França com a ajuda da Omexom.

Será que as velhas querelas entre fazendeiros e promotores de energias renováveis vão se tornar coisa do passado? O fato é que cada vez mais agricultores, viticultores e pecuaristas estão instalando painéis solares em suas terras. De acordo com a Agência Francesa de Meio Ambiente e Gestão de Energia (ADEME), pelo menos 13% da energia solar produzida na França provém do mundo rural.

Hoje, na França, metade da capacidade das instalações solares é baseada em painéis fotovoltaicos instalados em telhados, a outra metade em centrais terrestres, instaladas principalmente em locais chamados degradados – antigas pedreiras, terrenos industriais abandonados – que existem em quantidade limitada.

Para os desenvolvedores de energia solar, a busca de terrenos está ficando complicada. Ainda mais porque as autoridades públicas estabeleceram metas ambiciosas para o setor. A programação plurianual de energia (PPE) prevê que, até 2028, a capacidade fotovoltaica deverá alcançar entre 35 GW e 44 GW, o que equivale a instalar 3.000 MW por ano. Se for instalado 1 MW por hectare, significa ter que encontrar aproximadamente 160.000 hectares em oito anos.

A utilização de terras agrícolas parece, portanto, ser uma das pistas mais promissoras para o desenvolvimento do setor. Tanto é que deu origem ao conceito de agrovoltaico. Segundo alguns especialistas, o uso de apenas 1% das terras aráveis da Europa permitiria a instalação de mais 700 GW adicionais.

As energias renováveis, promessa de reconciliação final entre o mundo da agricultura e o das energias sustentáveis.

Riscos de desvirtuamento

Esta abordagem ainda suscita críticas por parte de algumas organizações de agricultores, preocupadas com o desvirtuamento potencial das fazendas. De fato, existe o risco de os agricultores se deixarem convencer depressa demais por empresas vendedoras e aceitarem projetos que não atendam realmente às suas necessidades.

Para Yves Daguin, gerente da Omexom RE Solar (VINCI Energies), dois tipos de prática devem ser considerados. “A primeira prática é uma equação basicamente fundiária, que consiste em valorizar uma superfície para desenvolver o parque fotovoltaico. A segunda, mais “inteligente”, visa também incrementar o desempenho agrícola”.

As experiências realizadas em fazendas vinícolas em particular demonstraram uma sinergia duplamente benéfica da energia fotovoltaica: para a empresa de energia, que pode desenvolver suas instalações, e para o agricultor, que vê aumentar o rendimento de qualidade da vinha. “Utilizando algoritmos de otimização para controlar a orientação dos painéis elevados, podemos, por exemplo, proteger as videiras dos riscos meteorológicos e regular a temperatura para promover o crescimento e evitar episódios de superaquecimento climático. Estes projetos ainda estão na fase experimental, mas a dinâmica foi lançada“, explica Yves Daguin.

30.000 painéis e… 160 cordeiros

Um exemplo no sudoeste da França. Em Bioule, um município rural de 1.150 habitantes na região de Tarn-et-Garonne, mais de 30.000 painéis foram instalados pela Omexom RE Solar em 16 hectares, com uma meta final de geração de 12 MW de potência.

O projeto é particularmente atento ao meio ambiente: inclui quatro áreas úmidas nas quais a fauna a ser preservada foi identificada durante os estudos preliminares, e uma lagoa dedicado aos anfíbios. Um jovem fazendeiro de Bioule levou seu rebanho de 160 cordeiros para pastar lá. O município lhe forneceu um aprisco e um curral, construídos no local e financiados em 90% pela empresa Neoen, patrocinadora do projeto.

Dentro de trinta anos, por conta do crescimento populacional, a agricultura mundial terá que atender uma demanda de produção duas vezes maior do que na virada dos séculos 20 e 21. Ao mesmo tempo, prevê-se que o consumo bruto de eletricidade tenha dobrado entre 2020 e 2050. O desenvolvimento das energias renováveis, incluindo a energia solar, traz assim a promessa de uma reconciliação final entre o mundo da agricultura e o das energias sustentáveis.

16/06/2022