A empresa de energia dinamarquesa não mudou o nome apenas para criar uma imagem na moda, cool, cívica, responsável e verde. Ørsted se chamava Danish Oil and Natural Gas nos anos 70, quando seu negócio era baseado na exploração do petróleo e gás. Em 2008, a empresa anunciou que ia mudar radicalmente seu rumo, abandonando as energias “negras” e optando pelas energias “verdes”. Um desafio tanto social quanto econômico. Ørsted, que fornece 49% da eletricidade da Dinamarca e 35% de sua produção térmica, está vendendo suas instalações de gás e carvão e investindo maciçamente em turbinas eólicas offshore. Atualmente possui 1/3 do parque eólico offshore do mundo. O investimento que parecia arriscado em 2013 está rendendo hoje, com os custos mais baixos em 70%. Em 2023, Ørsted vai parar totalmente de usar carvão para atingir a neutralidade de carbono em 2025. Um pioneiro no “mundo de depois” que as empresas de energia nos outros países não poderão ignorar.

11/02/2021