Para um industrial, a visualização animada no espaço de um projeto de linha de montagem 4.0 constitui uma ferramenta preciosa para a verificação e o apoio à decisão. A Actemium está desenvolvendo um protótipo para o efeito.

A modelagem 3D de um projeto antes de sua materialização é uma prática comum na arquitetura e manutenção de edifícios. Também na indústria, a modelagem 3D permite visualizar um equipamento ou um produto futuro. E até mesmo uma futura linha de produção automatizada! Este é o desafio que uma equipe da Actemium decidiu enfrentar, comprometendo-se a ir mais longe concebendo um percurso dinâmico 3D integrando as mais recentes tecnologias da indústria 4.0.

“A modelagem 3D nos permite aperfeiçoar o projeto, ajudar no processo de tomada de decisão e, por último, construir um conjunto consolidado de especificações, reduzindo os riscos de erro.”

O objetivo não é fazer um concurso de destreza em representações virtuais de um futuro maravilhoso, mas, mais concretamente, disponibilizar para um industrial e seu fornecedor de serviços uma ferramenta muito eficiente para a elaboração de projetos preliminares e de especificações “, explica Thomas Hoffmann, Business Development Director da Actemium, a marca da VINCI Energies dedicada à transformação industrial.

“Bin picking inteligente”

O protótipo para a modelagem inclui uma estação de “bin picking inteligente”, na qual um robô vai reconhecer diferentes peças graças à associação de câmeras 3D com um banco de dados. As peças relevantes para a operação seguinte serão transportadas em uma esteira para a estação de montagem. Ali, com uma peça diferente em cada “mão”, um robô humanóide realizará a montagem.

Após a fase de embalagem automatizada, as peças são transportadas para a estação de paletização, não por uma esteira, mas por um robô móvel autônomo, capaz de parar diante de um obstáculo e contorná-lo se necessário.

Desta forma, podemos mostrar a interconexão de robôs comunicando-se com os sensores IoT, e em breve o 5G interno, para conectar os equipamentos sem latência. Também podemos mostrar a manutenção realizada com a realidade aumentada, que serve em diferentes pontos da cadeia“, comenta Frédéric Boulvert, engenheiro de negócios da Actemium Rennes. Ao posicionar técnicos virtuais em estações de trabalho específicas, o industrial também pode constatar que eles não têm espaço suficiente para se movimentar, e a partir desta observação, a ergonomia da linha pode ser aperfeiçoada.

 

Menos riscos, mais flexibilidade 

Esta modelagem 3D dinâmica incluindo ferramentas 4.0 é interessante porque permite ao industrial que elabora seu projeto de linha de montagem ver virtualmente o funcionamento dos equipamentos planejados e reagir. Se necessário, a Actemium pode então modificar o dispositivo virtual dialogando com seu cliente. “Estas trocas a respeito da linha modelada em 3D permitem aperfeiçoar o projeto, ajudar no processo de tomada de decisão e, por último, construir um conjunto consolidado de especificações reduzindo os riscos de erro“, observa Thomas Hoffmann.

A modelagem também dá ao industrial uma garantia adicional de flexibilidade. Com a tendência para a customização dos produtos, é importante poder modificar os objetivos da linha de montagem muito rápida e simplesmente. Da mesma forma, a otimização da cadeia realizada com a visão 3D permitirá conhecer em tempo real o estado dos diversos equipamentos, o que permitirá intervir preventivamente antes do início de uma produção.

Aeronáutica, logística, distribuição, comércio drive-in, agronegócio, embalagem de produtos frescos… Todos os setores industriais podem se beneficiar de uma simulação de um modelo 3D de uma linha de produção de montagem avançada, enfatiza Thomas Hoffmann. Está certo que representa um investimento, mas pode reduzir significativamente os riscos.”

17/05/2021