Em 2015, o grupo ferroviário lançou um ambicioso programa de transformação digital: Digital SNCF. Quatro anos depois, o digital está presente em todas as atividades da empresa. Eis como.

Desde o lançamento no início dos anos 2000 do site Voyages-SNCF.com, hoje Oui.SNCF, a transformação digital da SNCF nunca parou. A verdadeira revolução digital do grupo ferroviário aconteceu em 2015. Foi nesta data, com a criação do Departamento Digital, que a SNCF acelerou significativamente a digitalização da sua organização e das suas atividades.

“Inaugurado no mesmo ano, o programa Digital SNCF foi projetado para envolver toda a empresa nesta transformação”, recorda Olivier Reinsbach, diretor dos “574”* (as “casas digitais” do grupo) e da comunicação da Direção Geral e.SNCF.

Este programa, que continua ativo, baseia-se em quatro objetivos: oferecer mais serviços aos clientes, facilitar o trabalho dos funcionários, melhorar o desempenho da empresa e aumentar a segurança dos agentes e dos trens.

Digital SNCF foi lançada na forma de “temporadas” sucessivas. A primeira temporada consistiu na instalação do programa com o lançamento de grandes projetos e dos “574”, espaços que combinam coworking, showrooms e áreas experimentais. Existem cinco desses espaços hoje (Saint-Denis, Nantes, Toulouse, Lyon e Lille), um sexto devendo abrir em Marselha, em 2020.

Nestas “casas digitais” foram instalados os Fabs, centros de expertises ao serviço dos vários projetos digitais da empresa (Design, IoT, Big Data, Open Innovation).

Em seguida, foram lançadas as outras três temporadas do programa Digital SNCF, primeiro com projetos industriais explorando a IoT e os dados, depois destinada aos clientes com a oferta de novos serviços e finalmente sobre os dados e seu potencial de transformação.

Uma organização e equipamentos adaptados

A partir de 2016, a SNCF adaptou sua organização à era digital, reunindo seu departamento digital e seus sistemas de informação dentro da nova Direção e.SNCF, chefiada desde Setembro de 2019 por Henri Pidault, antigo diretor do desempenho digital no grupo ferroviário.

“Ao mesmo tempo, implementamos internamente os equipamentos adequados (dispositivos móveis, ferramentas colaborativas, etc.) e um apoio para a sua utilização”, enfatiza Olivier Reinsbach. Trata-se do programa “Digital para todos”, que visa divulgar e apoiar o uso de ferramentas colaborativas pelas equipes.

“É difícil treinar todo o mundo. A ideia é aproveitar os gerentes locais e também o espírito coletivo”

Foi formada uma comunidade de cerca de sessenta pessoas de referência para o digital: os “Digital Champions”. Atuam como correias de transmissão da transformação digital, e são encarregados de criar entendimentos em torno de problemáticas transversais afetando todas as atividades e negócios do grupo.

“É obviamente difícil treinar todo o mundo. A ideia é aproveitar os gerentes locais e também o espírito coletivo, até porque há pessoas mais avançadas que podem apoiar outras pessoas”, explica Olivier Reinsbach.

O Diretor dos “574” e da comunicação da Direção Geral e.SNCF também menciona o programa de “reverse mentoring”, que visa “trazer a bordo os menos digitalizados, começando pelos sêniores, entre outros”. Em quatro anos, cerca de 500 agentes, oriundos de profissões ferroviárias, níveis de responsabilidade, faixas etárias e territórios diferentes, beneficiaram deste programa de transmissão intergeracional do know-how digital, usos colaborativos e novas tendências digitais relacionados com a mobilidade.

Aplicativos concretos

A revolução digital do Grupo SNCF gerou numerosas iniciativas e realizações em todas as atividades do grupo ferroviário: infraestruturas, comércio, material rodante, etc.

O aplicativo SNCF, por exemplo, que conta com quase 11 milhões de downloads, é um verdadeiro assistente de mobilidade, de porta a porta e em tempo real, que acompanha cada passageiro ao longo da sua viagem. Ulteriormente, poderá servir para o pagamento e o uso de bilhetes por aproximação do celular.

Outro exemplo de um aplicativo operacional recente: Haltograf, um sistema automático e robotizado de identificação de pichações nos trens regionais, para acelerar a sua remoção.

Com o apoio da start-up Elter, especialista em modelos de inteligência artificial, e da 4G Technology, especialista em transferência de dados, a SNCF está atualmente testando um sistema em sua unidade de Nîmes, no sul da França, capaz de funcionar em quaisquer condições, dia ou noite, ou mesmo na chuva, para coletar informações como a localização da cabine do trem pichado, a matrícula e as pichações, cujo tamanho deve avaliar.

Este sistema poderia mais tarde tornar-se uma plataforma onde seriam instalados outros serviços para outros tipos de detecção no material rodante.

*574,8km/h é o recorde mundial de velocidade em trilhos, realizado em 2007 pela SNCF.

23/07/2020

Descubra mais