A visão de um dirigente ou de um líder de opinião sobre a agilidade hoje em termos de cultura e de processos, de metodologia e de mentalidades.

Nomeado em março de 2021 como diretor-geral de 2050, um novo fundo de investimento de impacto, o cofundador da PriceMinister pretende mudar o mundo, começando por mudar a forma como o financiamos. Um exercício de liderança.

O que os objetos conectados, as pegadas de carbono corporativas e as flores éticas têm em comum? Um fundo de investimento chamado 2050. Wethings, Sweep e Fleurs d’ici são os três primeiros projetos com forte impacto social e ambiental a serem apoiados por este novo veículo de investimento, fundado no final de 2020 por Marie Ekeland, e para o qual Olivier Mathiot acaba de assumir o cargo de diretor-geral.

Assine e descubra nosso podcast agora nas várias plataformas de streaming: 

Apple Podcast, Spotify, Deezer, Google Podcast

“2050 segue a mesma dinâmica que as gerações atuais, em busca de significado. O que se pode fazer com dinheiro? Ou nos contentamos em ganhar mais, ou ganhamos dinheiro mas tendo em conta os impactos sociais e ambientais da empresa. Este é o projeto de 2050”, explica Olivier Mathiot, cofundador da PriceMinister e vice-presidente da France Digitale, a entidade onde conheceu Marie Ekeland, co-iniciadora da associação francesa de tecnologia.

Olivier Mathiot está convencido que, do ponto de vista financeiro, o investimento “fértil” é uma aposta vencedora: “é uma promessa que corresponde às expectativas tanto dos consumidores como dos funcionários”.

Este especialista em capital de risco, que apoiou dezenas de start-ups nos últimos doze anos, foi encarregado de lançar 2050 na batalha, com planos para investir nada menos que 1 bilhão de euros nos próximos cinco a seis anos. “Este projeto é uma oportunidade para se lançar numa aventura empresarial e de estar em sintonia comigo mesmo: para melhorar o mundo, podemos começar melhorando a forma como o financiamos”, explica Olivier Mathiot, que aprecia sobretudo no seu trabalho como investidor a inteligência coletiva e a transdisciplinaridade.

A agilidade como diretriz

“Quando você investe na agricultura ou em bicicletas elétricas, você tem que mergulhar no assunto.” Uma forma de agilidade que ele sempre buscou nos projetos em que investiu. “Para mim, essa agilidade – essencial para o sucesso do projeto – depende de um fator chave: as pessoas. Por outras palavras, a capacidade de adaptação das equipes, sua capacidade de ouvir, sua ambição e seu desejo de transformar os usos do mercado onde atuam.”

Olivier Mathiot tem usado a agilidade ao longo da sua carreira pessoal e profissional. Nascido em uma família de engenheiros (um pai que estudou na prestigiosa Ecole Polytechnique, um irmão formado na Arts et Métiers e uma irmã engenheira agrônoma), este bom aluno deixou sua cidade natal de Grenoble para seguir “um curso de estudos mais generalistas”, entrando na escola superior de comércio HEC.

“Sempre fui dividido entre o mundo dos negócios, a realidade econômica e um universo mais criativo. Pensei que HEC deixaria mais aberto o campo de possibilidades para mim”, diz ele. Foi na publicidade que ele começou a sua carreira. Ele gostou muito deste período, “mesmo se, no final dos anos 90, já não era a época da publicidade deslumbrante de Séguéla! Mas foi uma boa escola para mim, lúdica e onde conheci uma população com perfis muito diversos.”

Influenciando o debate público

No entanto, em 2001, quando o seu primo, Pierre Kosciusko-Morizet, apresentou-lhe seu projeto comercial, não hesitou um segundo e ofereceu-se para se tornar seu sócio e diretor de marketing. Este foi o início da aventura Price Minister. “Foi a oportunidade para ficar independente, e não estar mais a serviço das decisões alheias”.

Aqui novamente, foi necessário ser ágil: “cada ano é diferente, temos que nos adaptar à evolução da empresa”. Quando, dez anos mais tarde, Rakuten comprou Price Minister, Olivier Mathiot persistiu: “preservamos uma forma de independência em relação à matriz japonesa”. Mas em 2017, Price Minister teve de deixar o lugar a Rakuten.

“2050 segue a mesma dinâmica que as gerações atuais, em busca de significado”

“Uma página foi virada, eu saí. Desta experiência, guardo a memória de uma bela aventura humana e o orgulho de ter criado uma marca que inovou no seu mercado”. Ele também aprendeu deste período como empresário, assim como dos seus anos como business angel, que levantar fundos é muitas vezes sinônimo de crise: “a empresa muda de dimensão, novas pessoas chegam, e o gerenciamento tem que ser reinventado. É muitas vezes complicado. Em geral, o negócio tende a abrandar…”. É nestes momentos que o líder se revela.

Hoje, o antigo porta-voz do movimento dos “pombos” em 2012, que se opôs à reforma da tributação das cessões de empresas e autor de La gauche a mal à son entreprise (Plon, 2013), ainda pretende influenciar o debate público “hackeando a próxima campanha presidencial, notadamente através da France Digitale”. Para ele, “é hora de apertar o botão Reset… mas, por enquanto, não vejo nenhum projeto da sociedade indo nessa direção”.

A ficção como próximo passo? Este fã de cinema gostaria de dedicar mais tempo escrevendo sobre o tema da empresa, “um tema ideal para a ficção literária”. Ele já tem pronto um roteiro para uma série de TV sobre as start-ups, que ele apresentou ao grupo AB.

 

14/10/2021

Descubra mais