Ontdek hoe topmanagers en opiniemakers denken dat agility van invloed is op bedrijfscultuur, productieprocessen, werkmethodes en mentaliteit.

Com The Boson Project, a consultora defende uma convicção: a transformação das empresas depende, antes de tudo, da autonomia e da responsabilização de seus funcionários.

“Com a generalização do teletrabalho no contexto da crise sanitária, temos esquecido às vezes que o escritório era também um espaço de justiça social que permite que todos gozem de condições adequadas para trabalhar.” Fundadora em 2012 do The Boson Project, uma empresa de consultoria que apoia as empresas na sua transformação, Emmanuelle Duez enfatiza as consequências do fechamento dos escritórios para os funcionários.

“Há dois grandes riscos ligados ao período que estamos atravessando, explica. O primeiro é o desengajamento. O segundo é o isolamento. A resposta está na excelência gerencial, isto é, a capacidade de cuidar dos outros na empresa. » 

A consultora acrescenta: “Infelizmente, não creio que a maioria das empresas tenha entendido o papel fundamental que esta população de gerentes deverá desempenhar quando chegar o desafio de redinamização do corpo social uma vez terminada a crise.”

Com sua equipe de consultores, os “Bosons” – em referência às partículas elementares do mesmo nome que servem como “cola” para ligar a matéria – Emmanuelle Duez ambiciona “criar as condições para a plena expressão do potencial humano, tanto individual quanto coletivo“.

As empresas devem iniciar uma reflexão aprofundada sobre aquilo que justifica que as pessoas saiam de casa para vir trabalhar no escritório“.

Para preparar as transformações culturais e organizacionais da empresa de amanhã, “devemos ter a coragem de abrir a caixa de Pandora, envolvendo as principais pessoas envolvidas, os funcionários, o que não é um fator de risco mas, pelo contrário, um fator de sustentabilidade das mudanças em curso“, acredita ela.

A busca do impacto

Aos 34 anos de idade, Emmanuelle Duez já tem a segurança de uma marinheira de muitas viagens no mundo dos negócios. Isso às vezes irrita certas pessoas. “Durante uma palestra minha sobre a relação que temos hoje com o trabalho, um homem na plateia, que questionava minha legitimidade para falar sobre o assunto com tanta segurança, perguntou ao palestrante ao meu lado, um almirante DRH da Marinha francesa, o que ele achava da minha fala. Meu vizinho deu-lhe literalmente uma descompostura. Depois disso, o almirante e eu ficamos amigos.”

Foi assim que Emmanuelle Duez aderiu à reserva civil da Marinha francesa em 2014, “uma formidável oportunidade para construir pontes entre o mundo civil e o militar“. Há quase dois anos, ela se tornou um dos membros externos do Naval Innovation Hub, a estrutura de inovação de ruptura do Naval Group. “Esta colaboração com o mundo da marinha deu uma dimensão muito prática ao The Boson Project“, afirma ela hoje. 

Emmanuelle Duez cultiva o dom de transformar a adversidade em trunfo. Empresária de coração, foi no entanto um pouco por acaso que ela descobriu seu caminho: “Quando era criança, queria ser uma “profiler“. Foi por isso que estudei direito penal. Eu segui o curso de advogado-magistrado para finalmente chegar à conclusão que queria salvar o mundo. Assim, passei da magistratura para uma escola de administração de empresas – a ESSEC em aprendizagem – para, através do enfoque empresarial, montar um projeto que poderia ter um impacto na vida das pessoas.”

Foi mais particularmente criando a associação WoMen’Up em 2011, no âmbito da Cátedra de Liderança e Diversidade da ESSEC, que ela descobre nela esta fibra empresarial. “O ato empreendedor é nada menos que o meio para expressar minha personalidade“, confessa.

Com o lema “nas empresas, luta conjunta das mulheres e das jovens gerações! “, o projeto WoMen’Up, dedicado a questões de gestão relacionadas a questões de gênero nas grandes empresas, abriu muitas portas para ela.

“É uma alavanca para as práticas de administração nas empresas que permite encontrar os dirigentes e lhes dizer: se não acreditarem na paridade por razões éticas, terão de qualquer forma que fazer evoluir suas organizações por razões econômicas e para atrair e reter os talentos. » 

O espaço no coração da excelência humana 

Neste período de crise, esta capacidade em perceber as mudanças ocorrendo, especialmente entre as gerações mais jovens, faz do The Boson project um laboratório de ideias muito concorrido. Desde 2016, o The Boson Project vem trabalhando sobre problemáticas humanas ligadas às transformações espaciais no local de trabalho (reorganização, mudanças). Emmanuelle Duez incentiva as empresas a iniciarem rapidamente “uma reflexão aprofundada sobre aquilo que justifica que as pessoas saiam de casa para vir trabalhar no escritório“.

Reinventar o espaço de trabalho é uma necessidade absoluta para ela. “No contexto de projetos de promoção, é essencial ser capaz de traduzir finamente os interesses humanos e estratégicos das organizações no espaço e acompanhar o corpo social na apropriação destes projetos imobiliários, a fim de torná-los não uma dor de cabeça, mas uma oportunidade de compromisso. O aspecto humano das transformações espaciais não deve ser descurado.”

11/03/2021

Descubra mais