A urbanização crescente exige cada vez mais transportes públicos. Para atender à demanda, dar uma segunda vida útil aos metrôs, bondes e outros trens suburbanos em serviço vem complementar a compra de equipamentos novos.

Seja em termos econômicos, ambientais ou sociais, mas também em termos de segurança rodoviária ou mesmo de atividade física, os benefícios dos transportes públicos são muitos e essenciais para a qualidade de vida nas cidades.

Acontece que a aceleração do processo de urbanização no século passado atingiu níveis sem precedentes nos últimos anos com o surgimento de grandes centros financeiros e industriais. A concentração de população nessas áreas urbanizadas cada vez maiores significa um número sempre crescente de deslocamentos, particularmente entre casa e trabalho.

A rede rodoviária atual nas cidades não pode enfrentar sozinha esta evolução. Em compensação, os transportes públicos, especialmente com seus VLTs de alta capacidade (metrôs, trens ligeiros, bondes e trens suburbanos), surgem como solução eficaz para esta demanda exponencial de mobilidade. Seu forte desenvolvimento nos últimos anos o comprova, particularmente com a construção de novos sistemas de trens ligeiros.

Restrições orçamentárias

Mas ampliar e manter uma rede de transporte público de qualidade a longo prazo dentro de um quadro orçamentário geralmente restrito é um desafio. Os operadores e as autoridades locais se deparam constantemente com um dilema: investir em novos equipamentos ou substituir os veículos existentes.

« O dinheiro economizado com a modernização dos equipamentos existentes pode servir para o desenvolvimento de novas pistas ou a compra de novos veículos.”

A experiência mostra que a única maneira de resolver esta difícil equação é combinar a substituição de veículos antigos por veículos novos com a modernização de parte do equipamento em serviço. Esta última opção oferece muitas vantagens, argumenta Libor Hinčica, Diretor de Sales Development and Marketing da Cegelec a. s. em Praga, especialista em equipamentos elétricos para veículos e sistemas de transporte público.

A modernização dos veículos leves sobre trilhos aumenta sua confiabilidade graças ao uso de novas tecnologias, garante sua vida útil inicial (um bonde, metrô ou trem modernizado pode servir durante mais vinte anos no mínimo), economiza dinheiro graças ao uso de tecnologias modernas e ao acesso rápido a peças de reposição e, por último, proporciona maior conforto aos passageiros“, explica Libor Hinčica. 

Dois coelhos com uma só cajadada

Além disso, os custos de modernização representam geralmente apenas um terço do custo de um veículo novo. As economias assim geradas podem ser investidas no desenvolvimento imprescindível da rede de transporte público.

De qualquer forma, é impossível substituir todos os veículos mais antigos por veículos novos. O dinheiro economizado com a modernização dos equipamentos existentes pode servir, por exemplo, para o desenvolvimento de novas pistas, a compra de novos veículos e a modernização de outros equipamentos antigos, que podem acabar ficando muito caros, por conta da falta de peças de reposição, por exemplo“, enfatiza Libor Hinčica, cuja empresa trabalha para clientes em toda a Europa. 

Em setembro de 2020, a Cegelec a.s. venceu a licitação para a modernização de 65 equipamentos elétricos para a cidade de Praga. Entre outras missões, a subsidiária da VINCI Energies também realizou a modernização de 77 bondes GT6N para a cidade de Berlim, 80 M31 para o município sueco de Gotemburgo, 12 bondes de tipo GT6M para a cidade alemã de Zwickau, e a modernização da parte elétrica da linha de metrô de Manila nas Filipinas.

“Podemos supervisionar a montagem dos componentes elétricos, bem como o comissionamento dos veículos e abranger a globalidade de um projeto de modernização”, observa Libor Hinčica.

15/04/2021