Estão surgindo soluções em todo o mundo para permitir que áreas altamente urbanizadas aumentem seu abastecimento em energia limpa e reduzam suas emissões de carbono. Panorâmica.

 

Uma fazenda solar que produz algas

Ao largo da Haia na Holanda, Oceans of Energy e The Seaweed Company projetaram um projeto experimental que gera tanto eletricidade limpa quanto algas comestíveis. Uma plataforma flutuante coberta com painéis fotovoltaicos abriga represas onde são cultivadas  plantas marinhas. Espera-se produzir 15 toneladas de algas a cada ano e absorver 1,8 toneladas de dióxido de carbono. “Utilizando apenas 5% do Mar do Norte holandês, podemos atender metade da demanda de energia dos Países Baixos“, afirma Oceans of Energy.

 

Uma ilha artificial eólica para abastecer o norte da Europa

O governo dinamarquês anunciou a construção, em uma parceria público-privada, a 80 km da península da Jutlândia, da primeira ilha artificial com uma superfície de cerca de 120.000 m2 dedicada à coleta e distribuição de energia renovável a partir de várias centenas de turbinas eólicas operando à sua volta no Mar do Norte. Este projeto sozinho poderia abastecer 10 milhões de lares europeus.

 

Rodovias solares na Suíça  

A empresa suíça Servipier ambiciona construir uma usina de energia combinada solar e eólica por cima da rodovia A9, perto do município de Fully (Valais). Uma estrutura metálica, instalada por cima da estrada com um comprimento de 1,6 quilômetros, deve ser coberta com quase 37.000 painéis solares. Produziria 19 GWh por ano, o equivalente ao consumo de cerca de 20.000 pessoas. A Servipier estima que cerca de 750 quilômetros de rodovias só na Suíça poderiam ser aproveitados desta forma.

 

Células bifaciais em Sydney

Na Austrália, Sydney é agora alimentada a 100% por energia  renovável. Três quartos da eletricidade fornecida são gerados pelo vento, sendo o restante proveniente de três usinas fotovoltaicas. Uma delas é equipada com células bifaciais que captam a luz de ambos os lados: a face da frente captura a radiação direta, enquanto a face traseira aproveita a luz refletida e a luz difusa para gerar eletricidade. Os módulos podem assim produzir em média 10 a 25% mais energia do que as células monofaciais.

 

Microrredes solares para garantir o serviço em restaurantes da Califórnia

Nos Estados Unidos, a SolMicroGrid, uma empresa de microrredes as-a-service, está implantando uma solução solar para três restaurantes Chick-fil-A na Califórnia. O objetivo é reduzir seus custos de energia e ao mesmo tempo garantir a continuidade do serviço no caso de um corte de energia. Usando uma combinação de geradores solares a gás natural e de armazenamento no local controlado por um painel de controle com uma camada de IA, as microrredes podem fornecer uma energia contínua durante as interrupções dos serviços públicos locais.

 

Links Úteis

 

15/11/2021