Criar uma start-up não é para qualquer um. O perfil dos start-uppers identificado pelo estudo da pesquisadora Marion Flécher para a Direção da pesquisa, dos estudos e das estatísticas (Dares) do Ministério do Trabalho, Emprego e Integração é um bom exemplo disso. Oito em cada dez gerentes de start-ups completaram 5 anos de ensino superior, e os graduados das Grandes Ecoles estão super-representados: 21% se formaram em uma escola de engenharia e 35% em uma escola de comércio. Em comparação, menos de um em cada dez criadores de empresas clássicas tem este currículo. Há também uma grande proporção de executivos que tiveram uma má experiência nos seus primeiros empregos e que veem as start-ups como uma forma de encontrar sentido em seu trabalho. Sem surpresa, é mais complicado para as mulheres se desenvolverem nas start-ups: têm mais dificuldade do que os homens em arrecadar fundos, arrecadam menos dinheiro e as chances de sucesso são 2,4 vezes maiores para seus homólogos masculinos.

11/02/2021