Para garantir o suprimento de energia à iluminação pública, Iaundê está implementando um sistema integrado de geração local, armazenamento e gerenciamento da energia. Um projeto que representa muito para os 2,7 milhões de habitantes e as empresas da metrópole africana. 

Em fevereiro de 2019, os responsáveis técnicos da cidade de Iaundê e os especialistas da Omexom Cameroun e da marca Omexom lançaram as bases para um ambicioso projeto de eficiência energética para a capital camaronesa. A solução escolhida é inédita: uma micro-rede urbana acoplada a um sistema de gerenciamento inteligente, que será implantado inicialmente em modo piloto, através de um demonstrador atualmente em construção. 

A meta das autoridades locais é garantir o suprimento de energia à iluminação pública nesta metrópole de 2,7 milhões de habitantes, que sofre frequentes apagões por conta dos picos no consumo de eletricidade entre 18h e 20h. 

Assegurar o fornecimento de energia elétrica atende a uma tripla prioridade para a prefeitura: o conforto e a segurança das pessoas, o funcionamento e o desenvolvimento das atividades econômicas, e a segurança e atratividade da cidade“, enfatiza Arnaud Allix, gerente da Omexom Cameroun. Além disso, há um quarto objetivo, um objetivo ecológico: limitar o uso de geradores de emergência a diesel para alimentar os edifícios municipais e a iluminação pública durante os apagões. 

“O projeto atende a uma tripla prioridade: o conforto e a segurança para as pessoas, o desenvolvimento das atividades econômicas e a atratividade da cidade.” 

Para financiar o projeto, a Omexom e a cidade de Iaundê contam com o Fundo de Estudos e Apoio ao Setor Privado (FASEP), uma ferramenta criada pelo governo francês através da Direção Geral do Tesouro, que fornece uma subvenção de 500.000 euros. Além disso, a Omexom está contribuindo com 140.000 euros para o financiamento. 

Projetado, construído e pilotado por uma equipe de parceiros franceses composta por start-ups, PMEs industriais e acadêmicos, o esquema é baseado em três componentes principais: a produção e o armazenamento, a eficiência energética e a supervisão. 

100 % dos postes de iluminação alimentados durante 30 minutos 

Como isto funciona? No estacionamento da Prefeitura de Iaundê, painéis fotovoltaicos (30 kWp) serão instalados em estacionamentos solares e conectados a um sistema de gerenciamento de energia que, a cada noite durante o pico de demanda, decidirá em tempo real direcionar a energia gerada para os postes de iluminação pública ou para o edifício da Prefeitura, dependendo da energia armazenada. A bateria central pode suprir 100% das necessidades dos postes e edifícios por 30 minutos (ou 50% por uma hora). 

Quatrocentas luminárias de sódio consumidoras de energia serão substituídas por luminárias LED dentro do perímetro da Prefeitura, das quais um quarto será equipado com sensores LoRa para retransmitir os dados de monitoramento remoto dos quadros de iluminação pública e do tráfego rodoviário. 

Por fim, dentro da Prefeitura, um hipervisor fornecerá uma visão operacional de todos os equipamentos instalados e controlará o consumo e a produção de energia. 

“A combinação matricial destes três tijolos funcionais é uma estreia nos Camarões, mas provavelmente também na África, observa Laurence Vaux, VP Business Development da divisão África da VINCI Energies Oil & Gas. A inovação do projeto está na integração precoce de múltiplas áreas de especialização. Para desenvolver as soluções ideais para o demonstrador, a Omexom reuniu uma equipe de empresas complementares VINCI Energies: Omexom Cameroun, Omexom Paris Ingénierie e Actemium Paris Transport. “ 

Uma redução em 83 % dos custos de manutenção  

Os benefícios do projeto foram calculados com precisão. A energia consumida pelo bairro a partir da rede será reduzida em 31%. Os LEDs devem gerar uma economia de energia de 72% e uma redução de 83% nos custos de manutenção. Quanto à prefeitura, 17% do consumo do edifício será alimentado de maneira autossuficiente. 

É claro que as competências municipais terão que ser reforçadas através de um programa de treinamento para técnicos e gerentes, para que eles possam assegurar a gerência do projeto e preparar bem a extensão do projeto-piloto para toda a cidade“, explica Arnaud Allix. 

O projeto foi pensado para ser replicado. “A cidade agora possui os recursos para reproduzir o sistema piloto em toda a área urbana, no âmbito de um projeto plurianual com um retorno sobre investimento de seis anos. Além disso, não será preciso contrair um empréstimo junto a um financiador ou um banco, uma vez que as economias de energia e de manutenção realizadas permitem reembolsar rapidamente os investimentos em infraestruturas e liberar mais capacidades de investimento durante todo o contrato“, argumenta Laurence Vaux. 

A configuração derivada inclui 10.000 luminárias LED, 10.000 núcleos de telegestão remota, 1 MWp de instalações fotovoltaicas e 3,5 MWh de armazenamento distribuídos em cerca de dez localizações urbanas, o reforço e extensão da rede LoRa em toda a cidade graças à implantação de uma dezena de antenas de rádio, bem como uma reconfiguração aumentada dos sistemas GMAC, da telegestão e do hipervisor. Custo total do projeto: 30 milhões de euros ao longo de seis anos. 

 

08/07/2021