Equipadas com tecnologia LTE, as redes de rádio móveis privadas são uma alternativa eficaz ao Wi-Fi e 4G das operadoras de telecomunicações nos principais festivais culturais. As experimentações são promissoras.

O festival Vieilles Charrues não se realizou este ano por causa do coronavírus. Normalmente, no terceiro fim de semana de julho, são quase 300.000 fãs de música chegando na pequena cidade (7.000 habitantes) de Carhaix, na Bretanha, para 4 dias de concertos ao ar livre, e quase o mesmo número de smartphones. Um verdadeiro quebra-cabeça logístico para garantir a cobertura telefônica!

Para que o público possa utilizar seus smartphones, mas sobretudo para que o pessoal do festival e os serviços de segurança pública (Segurança Civil, bombeiros…) possam comunicar em caso de incidente, é necessário instalar redes Wi-Fi. Mas estas não são completamente confiáveis, especialmente para a voz, nem as redes 4G das operadoras de telecomunicações. Interferências e saturação podem complicar as comunicações, o que é prejudicial em caso de emergência.

A chegada das redes privadas LTE (4G), uma tecnologia que permite o intercâmbio de voz e dados, pode estar mudando a paisagem. “Em grandes eventos deste tipo, as redes das operadoras estão congestionadas pelo uso extensivo dos smartphones do público, especialmente nas áreas rurais. Isso pode perturbar as comunicações confidenciais e críticas. Para o festival Les Vieilles Charrues, por exemplo, instalamos uma rede privada 4G que permitiu aos organizadores comunicarem entre si e manterem um canal de comunicação confiável com as autoridades“, explica Arthur Rabaté, responsável do desenvolvimento da oferta privada 4G da Axians Redes Móveis Privadas.

A PMR LTE é mais fácil de implantar que o Wi-Fi, que requer a instalação de muitos hotspots (pontos de acesso), e permite novos usos graças à sua confiabilidade.

A Axians, marca especializada em TIC da VINCI Energies, também testou um canal de comunicação seguro “push-to-talk” através de terminais ad hoc durante a edição de 2019 do festival. As redes privadas LTE (4G) são mais fáceis de implantar do que o Wi-Fi, que requer a instalação de inúmeros hotspots (pontos de acesso).

Três estações de base eNode B, que atuam como uma passarela entre os terminais móveis, as antenas de rádio e a rede principal, bastam para cobrir locais muito grandes. A Axians fornece os cartões SIM da rede privada, que garantem a criptografia e funcionam com os mais recentes smartphones.

Testes e parcerias

Por enquanto, as redes móveis privadas para eventos permanecem em fase de teste. De fato, a legislação atual ainda não permite a obtenção de frequências para este tipo de eventos efêmeros. “Estamos essencialmente experimentando, portanto, a comercialização do serviço ainda não é possível. De momento, formamos parcerias“, explica Arthur Rabaté, ele próprio voluntário no festival Vieilles Charrues há vários anos.

Esta proximidade lhe permitiu oferecer aos organizadores a oportunidade de testar estas redes privadas de LTE. Esta tecnologia também pode interessar empresas como a Weezevent, que oferece soluções de pagamento e emissão de bilhetes “cashless” (sem dinheiro líquido).

Por enquanto, o mercado dos eventos culturais ainda é um nicho para as redes PRM de banda larga, mas poderia crescer rapidamente em um país que organiza vários milhares de eventos desse tipo a cada ano, incluindo uma dúzia de eventos muito grandes. Mas as frequências devem ficar mais acessíveis em termos de custo, porque o preço de acesso hoje é excessivo para os organizadores de festivais culturais que muitas vezes lutam para equilibrar seus orçamentos.

15/04/2021