Desde 2019, a empresa de inserção TIM ajuda as pessoas afastadas do mercado de trabalho a encontrarem um emprego permanente, ao mesmo tempo em que presta serviços de Facility Management. Pela primeira vez, a VINCI Energies, acionista da empresa, está-se investindo no campo da inserção profissional.

Embora ninguém seja insubstituível, também ninguém é incontratável. Esta é a convicção que deu origem à TIM, a “joint venture social” lançada em 2019 pela VINCI Energies e o Grupo Vitamine T, um dos pioneiros e líderes na França da inserção através da atividade econômica(1).

As joint ventures sociais são excelentes alavancas para combater o desemprego e treinar alguns de nossos futuros funcionários. Elas demonstram a força do trabalho coletivo entre, por um lado, as empresas e, por outro, as associações, os serviços do Estado e as fundações“, explica Mathieu Alesi, responsável da Inovação e Empreendedorismo Social da Fundação VINCI pour la Cité. 

Com o apoio da Fundação VINCI pour la Cité, os dois parceiros escolheram o Facility Management como área de atuação para a TIM, por ser um setor dinâmico em termos de emprego (Hospitality Manager, técnico multitécnicas, agente multisserviços, etc.) e muito sensível às questões de responsabilidade social. 

“As equipes operacionais da VINCI Facilities manifestaram um desejo particular de se envolverem em um compromisso social concreto”, explica Baptiste Odin, responsável Desenvolvimento Ile-de-France do Grupo Vitamine T.

“Os esquemas de inserção baseados na atividade econômica são excelentes alavancas para combater o desemprego e treinar alguns dos nossos futuros funcionários.”

A TIM, detida a 51% pelo Grupo Vitamine T e 49% pela VINCI Energies, oferece serviços “tradicionais”, concorrendo em licitações para pacotes de “serviços aos ocupantes” – gerenciamento de salas de reunião e de correio, logística, assistência – e “manutenção multitécnica de nível 1 e 2” – eletricidade, encanamentos, serralheria, ar condicionado. 

Modelo econômico 

“Como qualquer outra empresa, a TIM vende serviços a seus clientes. O que nos diferencia é que recebemos subsídios públicos para apoiar nossos funcionários em seu processo de inserção. Portanto, mesmo que a TIM tenha que ser lucrativa para continuar operando, comprometemo-nos a reinvestir a totalidade dos lucros no projeto em benefício dos nossos funcionários”, enfatiza Adeline Bournisien, gerente da TIM. 

Esta não é a primeira experiência empreendedora de Adeline Bournisien. De fato, ela já encabeçou duas empresas da VINCI Energies.  

“A única diferença em relação a uma empresa tradicional é que fazemos todo o possível para garantir que nossos funcionários tenham uma “evolução dinâmica” no final de seu programa de inserção, seja para um emprego permanente ou para um curso profissionalizante”, diz ela. 

Por exemplo, os funcionários da TIM em processo de inserção contam com um apoio social e profissional durante 24 meses no máximo, prestado fora de seu horário de trabalho. Uma conselheira de inserção social e profissional identifica as dificuldades econômicas de cada funcionário e providencia um apoio personalizado para resolver os “obstáculos ao emprego”: falta de conhecimento do mundo empresarial, problemas de moradia, mobilidade, etc. Ao mesmo tempo, são organizados cursos para os funcionários adquirirem mais competências.

A TIM obteve seus dois primeiros contratos após o confinamento da primavera de 2020, o que lhe permitiu contratar os dois primeiros funcionários em um percurso de inserção. A primeira funcionária é responsável por acolher o(a)s tenistas nas quadras da Federação Francesa de Tênis (FFT) na ilha de Puteaux, e o segundo é responsável pelos serviços para os ocupantes do edifício Pulse em Saint-Denis, no âmbito dos contratos celebrados entre a VINCI Facilities Sports & Partenariats, por um lado, e a FFT e o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Paris 2024, por outro lado.

Desempenho global

Além do exemplo da TIM, o compromisso em prol da inserção profissional tornou-se um critério de seleção em licitações de Facility Management. Em certas licitações privadas, este tema representa 5% da pontuação total e as licitações públicas impõem quase sistematicamente uma cláusula de inserção.

A visão da empresa no século XXI mudou. Passamos da era do desempenho econômico para a era do desempenho global“, observa Adeline Bournisien. Como resultado desta nova competição, as empresas tentam ser líderes nas três frentes: econômica, ambiental e… social. No coração desta nova estratégia, a responsabilidade social corporativa é usada como uma alavanca eficaz para identificar e responder com precisão aos desafios da inserção profissional. 

Quais são os indicadores de sucesso? Baptiste Odin, do Grupo Vitamine T, está convencido de que o mais importante é a qualidade dos serviços: “No futuro, não seremos chamados em prioridade por conta da nossa dimensão social, mas sobretudo por conta da nossa grande experiência profissional.”

 

(1) A inserção através da atividade econômica (IAE) é um mecanismo de apoio ao emprego que certas entidades disponibilizam para pessoas muito afastadas do mercado de trabalho, a fim de facilitar sua inserção social e profissional. https://www.service-public.fr/particuliers/vosdroits/F2284

15/06/2021