Junto com sete parceiros, a GRTgaz projetou uma instalação experimental para testar o processo Power-to-Gas para converter a eletricidade verde em hidrogênio ou metano. A Actemium está apoiando este projeto que abre um caminho promissor para o armazenamento de energia.

Lançado em 2014 pela GRTgaz e comissionado em fevereiro de 2020, o Jupiter 1000 é um projeto de demonstração industrial Power-to-Gas. Baseada em Fos-sur-Mer (Bouches-du-Rhône) em uma plataforma de inovação para a transição energética, a instalação visa transformar a eletricidade renovável (eólica, solar, etc.) em gás para poder armazená-la.

O processo consiste em converter em hidrogênio a eletricidade verde gerada em excesso utilizando dois eletrolisadores com tecnologias diferentes, PEM (membrana) e alcalina, para testar seu respectivo desempenho. O hidrogênio assim produzido é injetado na rede de transporte de gás da GRTgaz e da Teréga, que opera a rede no sudoeste da França.

“Este mercado de cerca de 3 milhões de euros nos permite apoiar a transição do gás natural para o hidrogênio ao lado de um player histórico, a GRTgaz.” 

Ao facilitar o equilíbrio das redes de energia e ao aproveitar ao máximo o excedente de produção, a eletrólise incentiva o desenvolvimento de energias elétricas intermitentes que ainda são instáveis por conta das dificuldades de armazenamento de sua produção.

O projeto Jupiter 1000, que visa produzir 200 m3/h de hidrogênio utilizando uma instalação de 1 MWe, também planeja testar a produção de metano sintético. Graças a uma unidade de captura de CO2 nas chaminés da fábrica vizinha do Swiss Steel Group (antiga Ascometal) e uma unidade de metanação, a instalação de Fos-sur-Mer permite acrescentar uma etapa à eletrólise convertendo o hidrogênio produzido e o CO2 assim reciclado em metano sintético. O comissionamento da parte de metanação do projeto está programado para o final de 2020.

Em torno da GRTgaz, Jupiter 1000 mobiliza sete parceiros: a Compagnie Nationale du Rhône, que fornece eletricidade renovável através de suas centrais eólicas e solares, a RTE para a rede de transporte de eletricidade, a McPhy Energy para os eletrolisadores, a Khimod/CEA para a unidade metanadora, a Leroux & Lotz Technologies para a captura de CO2, a Teréga para injeção nas redes de gás e o grande porto marítimo de Marselha Fos para a geração de eletricidade através de turbinas eólicas.

A Actemium foi selecionada para as obras EIA

A Actemium Laxou (VINCI Energies), empreiteira reconhecida da GRTgaz para seus projetos de infraestrutura de gás na França, venceu a licitação para realizar a integração de todas as obras de EIA (Eletricidade, Instrumentação, Automação) para o projeto.

“Além de montar as instalações de alta e baixa tensão, gerenciamos os diversos pacotes (compressores, unidade de metanação e eletrolisadores), instalamos o sistema de análise e apuração dos diversos componentes (hidrogênio, THT, gás natural, monóxido de carbono, etc.) e toda a instrumentação. Por último, disponibilizamos para cada parceiro os dados coletados sobre a instalação”, explica Frédéric Niciejewski, gerente da empresa. A Actemium Laxou também se encarregou da parte de cibersegurança do projeto de acordo com as exigências da ANSSI (Agência Nacional para a Segurança dos Sistemas de Informação) adotadas pela GRTgaz.

“Este mercado de cerca de 3 milhões de euros nos permite apoiar a transição do gás natural para o hidrogênio ao lado de um player histórico, a GRTgaz, acrescenta. Para nós, é a oportunidade para consolidar e reforçar as competências de nossas equipes e ter assim uma porta de entrada para um mercado promissor apoiado por um vasto plano de investimento europeu que deverá, a prazo, fomentar o desenvolvimento de uma rede dedicada ao transporte de hidrogênio.”

De fato, no contexto desta nova dinâmica do hidrogênio, o Power-to-Gas parece ser hoje a tecnologia mais adequada para o armazenamento de longo prazo, possibilitando o aproveitamento do excedente de eletricidade renovável.

19/11/2020