Desde 2013, a Actemium trabalha em parceria com a Petróleo Brasileiro S.A, realizando a manutenção de várias plataformas offshore localizadas na Bacia de Campos. São operações altamente complexas e focadas em qualidade que permitem prolongar a vida útil das unidades marítimas e otimizar a produção de petróleo.

Projetadas para extrair petróleo e gás do fundo do oceano durante vinte e cinco anos e localizadas próximo à costa brasileira, as plataformas petrolíferas P-55 e P-62 da empresa nacional Petrobras poderão operar por mais dez anos e ainda aumentar sua produção. Essa é uma conquista no âmbito industrial, e o resultado da política implementada pela Petrobras, que apostou na manutenção de suas instalações para prolongar a vida útil e também otimizar suas capacidades de produção, estimadas em 180.000 barris de petróleo por dia.

Os serviços executados em ambas as plataformas offshore são uma referência quando o assunto é performance industrial focada na eficiência das instalações e na segurança das equipes.

A otimização da performance industrial é alcançada através de uma parceria com a Actemium (VINCI Energies), responsável, desde 2013, pela manutenção de várias plataformas offshore, inclusive a P-55 e a P-62. A Actemium é uma referência no setor industrial, focada na melhoria do desempenho das instalações e priorizando a segurança das equipes. Para se ter uma ideia da importância desses serviços, basta lembrar que a indústria do petróleo representa 13% do PIB do Brasil e que a Petrobras é responsável por 93% da produção de óleo e gás no país.

A 100 km do litoral norte do Rio de Janeiro

Ancoradas em alto mar, na bacia de Campos, a aproximadamente 100 km da costa do Rio de Janeiro, as plataformas P-55 e P-62 operam em condições extremas, impostas por um ambiente marinho hostil, onde há corrosão, correntes marítimas e ventos fortes. As plataformas vão extrair o ouro negro na camada do pré-sal, de difícil exploração, assim denominada porque está situada abaixo do leito do mar, sob camadas de sal, a mais de 3.000 m de profundidade. As reservas de petróleo e gás do pré-sal são depósitos colossais, representando aproximadamente 50 bilhões de barris.

Nessas plataformas offshore – verdadeiras fábricas flutuantes repletas de tecnologia –  qualquer falha causada pela deterioração de equipamentos pode resultar em perdas significativas de produção, mas também em acidentes potencialmente graves, especialmente em caso de vazamento de gás.

Foi precisamente para prevenir contra esses riscos e garantir a integridade das plataformas offshore que a Petrobras criou o Programa de Eficiência Operacional da Bacia de Campos (Proef). É nesse contexto que ocorrem as campanhas de manutenção atribuídas à Actemium. “Nestes últimos anos, observa Samuel Ferreira, gerente da unidade de negócios Óleo & Gás da Actemium, a Petrobras tem percebido que o aumento da eficiência das unidades marítimas resultou em um aumento da produção.” A manutenção é incontestavelmente uma peça chave nesse processo.

Excelência em manutenção

Em suas operações de manutenção, que visam manter as instalações em perfeitas condições de funcionamento, a Actemium substituiu tubulações e estruturas antes que chegassem ao fim de sua vida útil e aplicou novos revestimentos a aproximadamente 72.000 m2 de superfícies diversas. Durante uma campanha de revitalização, as equipes foram responsáveis pela montagem de mais de 560 toneladas de estruturas metálicas.

Para executar uma obra de tamanha dimensão, durante as paradas de produção, cerca de 300 colaboradores foram mobilizados em cada plataforma. Nesses períodos intensos do trabalho de manutenção, são utilizados “hotéis flutuantes” para acomodar todo o efetivo. Esses “flotéis” ou UMS (Unidades de Manutenção e Segurança) estão conectados à plataforma por uma passarela. As UMS  não apenas fornecem um local de descanso e refeições para os técnicos de manutenção, mas também possuem almoxarifados com peças mecânicas e elétricas, oficinas, guindastes, áreas de armazenamento e de pintura industrial.

As UMS são particularmente úteis nas fases que requerem paradas de produção pois durante quinze dias, para limitar ao máximo o impacto dessas paradas, as equipes vão se revezar dia e noite para intervir na manutenção de estruturas e equipamentos críticos. As equipes embarcadas nesse período precisam trabalhar com a precisão de um relógio para cumprir as exigências de tempo, de qualidade e de segurança necessárias no ambiente offshore.

Apoio em terra firme

Essas equipes responsáveis pelas intervenções em alto mar contam com o apoio da base em Macaé/RJ, localizada no litoral nordeste do Rio de Janeiro, onde a Actemium fabrica as estruturas metálicas e as tubulações sob medida que serão enviadas às plataformas. “Mais de 1.500 toneladas de estruturas e tubulações foram produzidas em Macaé/RJ sem que tenhamos registrado qualquer acidente”, informa o gerente, ressaltando a importância da segurança para a Actemium, que obteve “o melhor índice de todos os fornecedores de serviços da Petrobras”. “A segurança é o valor mais importante da nossa Unidade de Negócios”, conclui. Isto é a eficiência industrial associada à segurança das equipes.

16/01/2020