Desde a produção até ao transporte e armazenamento, o gerenciamento do frio é um imperativo absoluto para as indústrias de medicamentos e vacinas. Na França e na Europa, as empresas da VINCI Energies fornecem soluções para garantir a cadeia de frio.

Em 8 de dezembro de 2020, a primeira injeção da vacina Pfizer-BioNTech contra a Covid-19 foi administrada a um paciente britânico de 90 anos. Uma das 800.000 doses até então conservadas em um local mantido confidencial, um armazém a uma temperatura de -70°C. A vacina produzida pelo laboratório americano e por uma start-up alemã salienta a importância fundamental do gerenciamento do frio ao longo da cadeia (produção, transporte, armazenamento) na indústria farmacêutica.

Mas para além das manchetes da mídia, Michel Lecarpentier, diretor de desenvolvimento de Rede de Frio da VINCI Energies, lembra que “o frio a temperaturas muito baixas é agora completamente dominado até -80°C, ou mesmo -100°C”. “O problema não é a tecnologia, mas a capacidade financeira para nos equiparmos“, acrescenta ele.

A alta qualidade dos produtos farmacêuticos exige que a cadeia de frio seja permanentemente garantida.”

Os custos podem ser multiplicados por dois ou três para as instalações com temperaturas muito baixas em comparação com as câmaras frias tradicionais. “Um custo adicional que se justifica por uma exigência de concepção, mas também pela qualificação específica da câmara climática instalada e, naturalmente, por um maior consumo de energia para estas baixas temperaturas“, explica Michel Lecarpentier.

Limiares de conservação regulamentados 

As diferentes tipologias de medicamentos e vacinas requerem limiares de conservação muito precisos e regulamentados: temperatura controlada (abaixo de +25°C), produtos sensíveis ao calor (+2°C a +8°C), temperatura negativa (-20°C a -40°C) e temperatura muito baixa (-70°C e abaixo).

A alta qualidade dos produtos farmacêuticos exige que a cadeia de frio seja permanentemente garantida. É por isso que as instalações frigoríficas são duplicadas ou até mesmo triplicadas – cada uma delas sendo autônoma – para evitar quebras. Gravadores de temperatura, muitas vezes equipados com um sistema de alarme, também são instalados. Por último, a manutenção dos equipamentos de refrigeração requer quatro a seis visitas por ano, em comparação com as duas a três habituais na indústria alimentar“, enfatiza o especialista da VINCI Energies.

Uma outra característica específica do mercado farmacêutico é um ambiente sanitário muito exigente, muitas vezes com uma atmosfera controlada que requer sistemas de filtração sofisticados e um ambiente industrial restrito. Estas são particularidades que as diversas empresas da Rede de Frio da VINCI Energies, especializadas em segurança da cadeia de frio, estão acostumadas a administrar.

Competências altamente especializadas

Na Bélgica, a Actemium Herentals instalou um sistema de monitoramento para supervisionar os freezers que irão armazenar as vacinas Covid-19 para a Europa. Durante o transporte interno, a temperatura das vacinas armazenadas em gelo seco em contêineres refrigerados também é monitorada usando sensores sem fio.

Mais de 1.300 sensores por cabo nos freezers e 40 sensores sem fio nos contêineres refrigerados serão instalados para monitorar a temperatura em tempo real. Os sensores sem fio foram testados como parte de um Proof of Concept (PoC) para uso em um grande armazém cheio de prateleiras metálicas e freezers com resultados muito positivos. Além do armazenamento de vacinas, nossa solução EMS (Environmental Monitoring System) também é usada para verificar a temperatura, pressão, umidade e partículas nas salas limpas onde os medicamentos são produzidos“, explica Roderick Nijffels, gerente de negócios na Actemium Herentals.

Um outro laboratório confiou à Actemium a criação em 2018, e a extensão em 2020, do sistema de monitoramento IMS (Information Management System) do seu parque de contêineres para freezers de vacinas. Esta instalação foi ampliada em 2020 e o será novamente em 2021 com um almoxarifado de aproximadamente 2.000 m3 a temperaturas abaixo de -50°C.

Estamos atualmente [dezembro de 2020] testando novos contêineres dedicados ao armazenamento de vacinas Covid-19 para conectá-los com o sistema IMS. O almoxarifado está em construção e estará totalmente operacional em abril”, afirma Henk Coolen, Project Engineer Automation da Actemium Herentals.

Uma confiança duradoura 

Na França, a CEF Nord Industrie Picardie trabalha com o grupo Sanofi há mais de quinze anos nas instalações de Compiègne. Esta empresa da Rede de Frio da VINCI Energies administra a manutenção preventiva e curativa dos chillers, das câmaras frias para matérias-primas e produtos acabados e das câmaras climáticas para armazenamento de amostras.

A relação de confiança com a Sanofi se baseia em serviços feitos sob medida, declara Xavier Delattre, gerente da CEF Nord Industrie Picardie. Além do nosso serviço de manutenção permanente, oferecemos uma solução original com uma visita anual mista associando nossos técnicos e os dos fabricantes de máquinas instaladas no local, que têm um conhecimento perfeito do envelhecimento de suas máquinas.”

Isto nos permite melhorar nossa manutenção preditiva e nossas equipes adquirem know-how adicional. Além destes projetos de manutenção, a CEF oferece equipamentos novos que combinam a eficiência energética e o fluido refrigerante limpo“, acrescenta Xavier Delattre.

11/03/2021