Ontdek hoe topmanagers en opiniemakers denken dat agility van invloed is op bedrijfscultuur, productieprocessen, werkmethodes en mentaliteit.

Este “serial empreendedor” desenvolve há três anos a empresa XXII, especializada em inteligência artificial. Uma visão da tecnologia que coloca o homem no centro do dispositivo.

Não se iluda, este jovem na casa dos 30, fundador de uma startup dopada com inteligência artificial, não é o novo adepto de um futuro tecnologicamente radiante. Na verdade, ele se considera como… um anti-geek. William Eldin, um dos dirigentes da empresa XXII, preconiza, à sua moda, um retorno ao essencial.

“A visão da nossa empresa é aumentar o homem e seus sentidos para desenvolver uma forma de quociente emocional que acabamos por deixar um pouco de lado”

“A visão da nossa empresa, explica, é aumentar o homem e seus sentidos para desenvolver uma forma de quociente emocional que acabamos por deixar um pouco de lado . A tecnologia existe para lidar com os problemas recorrentes relacionados à vida em sociedade, para que possamos cuidar mais de nós mesmos”.

Fã de Daft Punk, William Eldin, que, com seu sócio e amigo de infância, batizou sua empresa com o nome do grupo de música eletrônica que criou aos 14 anos, é o que se pode chamar de serial empreendedor.

Após criar em 2005 uma rede de lojas dedicada à venda de dispositivos de detecção de radares nas estradas, associou-se à Fabrice Pierlot, fundador da Coyote System, especialista em alerta de radares e assistência ao condutor. Oito anos mais tarde, vendeu sua parte no negócio e, em 2015, investiu 1 milhão de euros na XXII e na aventura da inteligência artificial, entre realidade virtual, gaming, nanociências e marketing.

 

Na intersecção entre ciência e engenharia

Ao invés de falar de IA, William Eldin, prefere o termo “deep technology”, um conceito “na intersecção entre ciência e engenharia”, e cujo objetivo é  “ajudar as empresas a empregar algoritmos ultra sofisticados para suas próprias utilizações”.

Mas sempre priorizando a dimensão humana. “As pessoas que trabalham conosco não se limitam a um só algoritmo e um só caso de utilização, argumenta. Elas abordam problemáticas extremamente diversas. Isto implica calçar botas para visitar um canteiro de obras e entender as dificuldades deste setor. Um doutor em inteligência artificial nunca faz este movimento, ele permanece atrás do seu computador. Nosso trabalho se situa no limite entre a ciência e a execução”.

Esta abordagem incitou a VINCI Energies a apresentar XXII à sua rede (business units e clientes) durante o último salão VivaTech, realizado de 16 a 18 de maio deste ano.

“A inteligência artificial atinge todos os nossos setores: indústria, construção, energia, comenta Julien Guillaume, responsável da Open Innovation e Intelligence collective na VINCI Energies. “E o que nos chamou a atenção em William Eldin e sua equipe é esta abordagem bastante pragmática que não esquece a dimensão humana, a forma como o homem utiliza a tecnologia”.

“Esta reflexão se assemelha ao nosso lema Human Beyond Digital”, acrescenta Julien Guillaume, que também reconhece que William Eldin tem “uma paixão comunicativa e um verdadeiro senso de pedagogia” .

À  frente de uma equipe de 60 colaboradores em Suresnes (França), aos quais se acrescentam 6 pessoas em Shenzhen (China) e 2 em Seattle (Estados Unidos), onde a XXII acaba de abrir um escritório, o jovem empresário trabalha com grandes empresas: BNP Paribas, Buygues Telecom, Clear Channel, Dassault, Google, Grupo M6, GRDF, Havas, L’Oréal, Netflix, Novartis, Samsung, Sanofi, SNCF, Shiseido, TF1…

“O ponto de vista do ser humano”

“Desenvolvemos nossa capacidade em inteligência artificial tomando como base o ponto de vista do ser humano”, explica William Eldin. “Nosso método de aprendizado é simples: começamos por observar pessoas e objetos que interagem e que são casos de utilização”.

O empresário ilustra sua explicação: “Por exemplo, num aeroporto, um passageiro chega com uma bagagem. Ambos são associados à um identificador. Se a inteligência atrás da câmera vê o passageiro se distanciar de sua bagagem, ao cabo de uma certa distância e de um certo tempo, esta informação será encaminhada ao centro de controle para eventual intervenção. Em Roissy-Charles-de-Gaule, há 12 000 câmeras, é impossível olhar para todas ao mesmo tempo!”.

O segredo de William Eldin? A gestão da agilidade e… do risco.

“A agilidade é, antes de tudo, uma cultura, a da velocidade. Na XXII, organizamos regularmente “serious games”, sobre a rapidez de reação. Mas sempre levando em consideração o risco, porque todos podem errar. Realizamos entrevistas individuais a cada seis meses e se uma pessoa não cometeu pelo menos dois ou três erros, é porque ela não assumiu riscos suficientes”. Controlar derrapagens é um verdadeiro must para o ex-managing partner da Coyote…

Descubra mais